Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

"O sucesso é a soma

de pequenos esforços

repetidos dia após dia"

(Robert Collier)

Turismo em 1º de Maio

É grande o potencial turístico do Norte do Paraná, mas ainda não tem sido devidamente explorado. Primeiro de Maio, banhado pela represa de Capivara acaba de virar notícia nacional porque será sede de um hotel do Grupo Hard Rock – outros dois empreendimentos serão construídos em Fortaleza (Ceará) e um terceiro em Caldas Novas (Goiás).  A Ilha do Sol, conhecida por empreendimentos turísticos certamente vai ganhar maior valorização pois o Hard Rock tem negócio em 177 países, com grande visibilidade. O investimento nos três resorts será de R$ 300 milhões.

Avanço no campo

A tecnologia faz diferença em todos os setores. No campo, não é diferente. Por isso, jovens empreendedores estão apostando alto no agronegócio. Os números mostram isso: as AgTechs, start-ups do agro, crescem em média 70% ao ano em um mercado que movimenta mais de R$ 15 bilhões. A TrackPad, criada em 2013 por Carlos Mira, conhecida como “Uber do agro” já teve seu aplicatico baixado mais de 600 mil vezes e já conta com 300 mil usuários.

“Agritech Valley”

Piracicaba (a 160 Kms de São Paulo), sede da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) é considerada a cidade polo de inovação do agronegócio e recebeu o apelido de “Agritech Valley”, versão brasileira do Vale do Silício, tem conectado pesquisadores, start-ups, empresas e investidores. Com o uso dessas novas tecnologias, os agricultores têm conseguido aumentar a produtividade.

Startups, o melhor ano

Apesar da crise econômica, o ano de 2017 foi o melhor da história para as startups brasileiras. Essa é a opinião de Pedro Waengertner, cofundador da aceleradora ACE. “Vimos investimentos grandes e que são bons para o país, já que nos colocam em um patamar de competição com players globais. As startups brasileiras não têm mais outra opção que não seja pensar em termos mundiais, já que vários empreendimentos fortes estão apostando no Brasil. Este ano mostrou que temos todas as condições de nos tornarmos uma referência”, afirmou Waengertner.

Ano Novo promete

Essa também é a análise de Flávio Pripas, diretor do espaço de coworking Cubo Itaú. “É consenso que o mercado de startups cresceu descolado da conjuntura econômica. A partir do momento que uma startup resolve um problema real do mundo real, com soluções voltadas para eficiência em grandes empresas, ela tem oportunidades. Isso pôde ser verificado em microcosmos como o próprio Cubo. As startups devem aproveitar o primeiro semestre de 2018, que será o melhor em muitos anos, pois no segundo semestre, a temporada eleitoral pode mudar o tabuleiro macroeconômico”, aconselha.

Seguir em frente

O balanço do ano de 2017 não é um dos melhores. Porém, ficará marcado como o ano em que o Brasil começou a sair do fundo do poço. Nos últimos anos o País sofria uma queda acentuada em todos os seus indicadores. A previsão era de que o Brasil caminhava para uma situação tão crítica como a que enfrenta a Venezuela. Que possamos trabalhar e acreditar que 2018 será o ano da virada. Essa é a nossa esperança.

Luiz Renato Hauly é Economista e Bacharel em Direito, Diretor da Fomento Paraná - Londrina - Pr.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios