Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Empreendedores  de Apucarana participaram do 47º São Paulo Fashion Week; novos contatos e inspirações criativas devem influenciar próximas coleções

Atividade que se alimenta de inovação, a moda tem no São Paulo Fashion Week (SPFW) um de seus maiores eventos internacionais. Por isso, acompanhar de perto as tendências e novidades é considerado estratégico para quem trabalha no segmento. Pensando em promover o setor, 18 pequenas empresas da região de Londrina, Maringá e Curitiba foram levadas pelo Sebrae/PR à 47ª edição do SPFW, que ocorreu entre os dias 22 e 27 de abril na capital paulista.

“Ver grandes marcas e se conectar com grandes estilistas, influenciadores e demais profissionais que respiram moda e confecção é algo que traz ideias e novas oportunidades de inovação e negócios”, comenta o coordenador estadual de Mercado Empresarial do Sebrae/PR, Lucas Hahn. O consultor ressalta que eventos como o SPFW permitem aos empreendedores ampliar horizontes, estabelecendo conexões com profissionais de várias partes do Brasil.

Foi assim que Christiane Arcega buscou estender a sua rede de contatos no evento. A empresária é dona da marca curitibana de acessórios VLuxo e integra o Joiarte, movimento que reúne designers paranaenses para uma produção especializada em joias contemporâneas.

“A missão foi excelente. Agregamos conhecimentos e fizemos conexões para o Joiarte e para nossos negócios, voltando com muitos contatos para desenvolver parcerias ao longo do ano. Conseguimos até uma reunião, no próprio estande do Sebrae/PR, com uma curadora de arte de São Paulo”, conta Christiane. Ela planeja articular a exposição dos acessórios em uma mostra no Rio de Janeiro, no final de junho. “Essa exposição segue para mais alguns museus em outros países. Seria o nosso movimento também conquistando espaço na arte”, salienta.

Em expansão desde que foi criada, em dezembro de 2018, a camisaria Dístico, de Apucarana, foi uma das empresas que carimbou seu “passaporte” no SPFW, pela primeira vez. O sócio Diego Fiori, explica que a marca surgiu por uma convicção pessoal, de acreditar que o modo de se vestir demonstra a personalidade de uma pessoa e deve ser único. “E vimos que é um mercado que realmente dava para ganhar dinheiro”, acrescenta.

Com 3 mil peças confeccionadas para a atual coleção de inverno, Fiori comenta que já há demanda para triplicar a produção para a próxima primavera/verão. No evento em São Paulo, ele pôde confirmar tendências e tomar novas inspirações. “Vi algumas coisas que a gente já aplica aqui, como animal print, e as formas geométricas, que estão em ascensão agora. Percebemos também a volta de algo mais retrô, com peças maiores, mais largas”, exemplifica.

O empreendedor diz, ainda, que conseguiu contatos e espera até mudar alguns processos em seu e-commerce. “Vimos negócios interessantes, como um provador virtual com todas as medidas, inclusive de tórax, que geralmente pode dar problemas de tamanho. Existem muitas trocas por causa disso”, frisa.

O know-how compartilhado entre as empresas foi um dos pontos destacados por Franciely Andres da Silva, gestora de desenvolvimento de produtos da Osa Jeans, de Cianorte, um dos maiores polos de vestuário do País. “Tive contato com outros segmentos, como praia, moda íntima, moda feminina plus size, e todos estão enfrentando os mesmos desafios”, afirma.

A especialista acrescenta que isso vale, inclusive, para marcas consagradas no mercado. “Elas estão trabalhando muito a questão comercial, o que nós pequenos sempre fizemos. A gente via no SPFW um produto mais conceitual, mas agora percebi que todas as marcas, inclusive as maiores, estão se atentando às vendas. Eu esperava chegar lá e ter que traduzir algumas coisas, mas ficou muito evidente que os grandes estilistas também pensaram no comercial, para que o púbico entendesse a proposta da marca”, esclarece.

Além do networking e dos desfiles, Lucas Hahn destaca os workshops do Sebrae/PR na feira, com modelos de startups, além de uma exposição sobre a história da moda e como ela impacta culturalmente diferentes países. “É um conhecimento que se projeta para a criação nas próximas coleções. Sem o Sebrae/PR, eles não conseguiriam ter acesso”, pontua.

Satisfeito com o retorno dos empreendedores, o consultor espera intensificar ainda mais a participação do Sebrae/PR na próxima edição do SPFW. “Além de proporcionar acesso ao evento em si, faremos um safári urbano em São Paulo [que leva os participantes às ruas para ver de perto e sentir na prática o ambiente do lugar], e uma rodada de negócios com compradores e fornecedores de São Paulo e de todo o Brasil”, completa.

Adriano Oltramari/Asimp

Empresários de representantes do Sebrae/PR de Apucarana marcaram presença no SPFW - Foto: Divulgação

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios