Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Da geração de energia com qualidade e eficiência a projetos sociais e ambientais, passando por obras estruturantes, as ações impactam diretamente na melhoria de vida das pessoas mais vulneráveis

No ano em que o mundo foi impactado pela pandemia da covid-19, a margem brasileira da Itaipu Binacional praticamente dobrou os investimentos em obras estruturantes, em ações ambientais, iniciativas humanitárias e de desenvolvimento social em sua área de influência. O resultado foi um impacto altamente positivo para a economia e para o bem-estar das comunidades da região.

Em 2021, a Itaipu segue na mesma linha, com um pacote de compromissos e um cronograma de entregas importantes. “Chegamos a 2021 com o compromisso de produzir 75 milhões de megawatts-hora até o final de dezembro para os sistemas brasileiro e paraguaio, conforme previsto em contrato, e com uma série de entregas”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

“Vamos manter o foco na nossa missão, mas sempre com novos desafios. O principal deles é cumprir à risca os nossos objetivos estratégicos, o que nos comprometemos, e seguir adiante com propósitos que sirvam de engajamento para toda a sociedade”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu. 

Para ilustrar, Silva e Luna cita como exemplo o conceito de pendência e tendência. “De forma prática, pendência é que o ficou no passado, o que ficou para trás e temos que obrigatoriamente entregar. Já a tendência é algo novo, que irá acontecer, para o onde o mundo vai caminhar”. E complementa: “Antes andávamos com pressa para progredir; hoje corremos para ficar no mesmo lugar. Temos que nos antecipar”, diz, fazendo uma analogia com o trabalho da binacional.

O orçamento da Diretoria de Coordenação, que concentra a execução dos projetos, saltou de R$ 314 milhões em 2019 para R$ 611 milhões em 2020. O aumento foi de 94%. O número de contratos em andamento cresceu 40%, de 280 para 391.

No total, considerando a execução de todos os projetos nos próximos anos, são aproximadamente R$ 2,4 bilhões compromissados, incluindo novos contratos para modernização do setor elétrico brasileiro. Esses recursos incluem obras, como a segunda ponte com o Paraguai, o novo mercado municipal, a revitalização do Gramadão da Vila A, a ampliação dos aeroportos de Foz e Cascavel, além de ações contínuas, como a manutenção da faixa de proteção do reservatório, monitoramento da qualidade da água, conservação da biodiversidade, projetos sociais e de educação ambiental, além da ajuda humanitária para o enfrentamento da pandemia, em caráter emergencial.

 “São aportes essenciais para garantir a segurança energética e hídrica, que visa a assegurar de forma sustentável a operação da usina hoje e nas próximas décadas, levando em consideração sua atividade-fim, assim como a melhoria da qualidade de vida da nossa gente”, explica Silva e Luna.

Grande parte dessas ações é feita em consonância com as diretrizes do presidente Jair Bolsonaro e em parceria com os governos estadual e municipal, no âmbito do Acelera Foz. O programa faz parte de um plano de retomada econômica de Foz do Iguaçu e tem a coordenação estratégica do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), Itaipu Binacional, Parque Tecnológico Itaipu (PTI), Prefeitura de Foz, Sebrae, Programa Oeste em Desenvolvimento, Associação Comercial e Empresarial de Foz do Iguaçu (Acifi) e Conselho Municipal de Turismo (Comtur).

A iniciativa, lançada em maio de 2020, é dividida em sete temas e serve como importante vetor na retomada do crescimento.

Segundo o diretor Silva e Luna esse leque de iniciativas é de grande importância, pois vem permitindo a abertura de várias frentes de trabalho, gerando oportunidades de emprego e renda para quem mais precisa, especialmente neste momento delicado da economia.

Outro dado importante é que a empresa reforçou o caixa para ações sociais. Foram mais de 50 milhões repassados a instituições de saúde e que trabalham com pessoas em situação de vulnerabilidade. “Há muito tempo, Itaipu deixou de ser uma usina que só gera energia limpa e renovável, o que já seria muito, pois é líder mundial em produção, para se tornar uma empresa à frente das melhores tendências e práticas de gestão com responsabilidade social e ambiental”, finaliza Silva e Luna.

Asimp/Itaipu

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.