Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

As ocorrências envolvendo cães lideram os registros de acidentes no setor de leitura da Copel e são fator de preocupação para categorias de outras empresas, como de água e saneamento, entregas, coleta de lixo. Em Curitiba, onde cerca de 7,5 mil acidentes por mordedura canina são registrados todos os anos, o dia 17 de agosto foi instituído por lei como uma data de atenção à prevenção deste tipo de ocorrência.

Um levantamento realizado pelo IBGE revelou que o Paraná é o Estado  com maior concentração de cães por residências: a cada dez domicílios, seis têm cachorro. Mas a preferência pelo melhor amigo deve vir acompanhada de alguns cuidados, como espaço e alimentação adequados, vacinação em dia e o cuidado com terceiros, seja na hora de passear, seja quando há a necessidade de acesso de profissionais ao quintal da casa.

 “Para os leituristas da Copel, é muito importante que o cão esteja preso no dia da visita ao domicílio, que é informado na conta de luz”, indica o gerente de Segurança do Trabalho da empresa Alessandro Maffei da Rosa. Ele destaca que esta orientação é válida mesmo para os cães de pequeno porte ou de comportamento predominante dócil. “Para o cão, o quintal é seu território. Então, quando o leiturista utiliza o espelho para a medição ou coloca a fatura na caixa de correio, mesmo sem entrar no quintal, o animal pode entender esse movimento como uma invasão”, explica. Outra medida importante para preservar a segurança dos profissionais de diversas categorias é sinalizar a presença de cão através de placa, e instalar a caixa de correspondência fora do alcance dos cães.

A Copel vem registrando um acidente a cada 15 dias, em média, com mordedura canina. Em março deste ano, um leiturista ficou gravemente ferido após ser atacado por um pitbull. Em 2016, o mesmo aconteceu com uma leiturista da Sanepar. Para evitar acidentes, a empresa investe em treinamentos, equipamentos de proteção e possui um sistema de cadastro da presença dos cães, que serve de alerta para os colegas que farão a mesma rota de leitura em outras ocasiões. Entretanto, as medidas precisam da colaboração de toda a população.

 “Pedimos que os animais nunca sejam criados em ambientes abertos, como calçadas e praças”, lembra Maffei. “Para além do cumprimento da legislação que determina a posse responsável, ter cuidado com os animais é um ato de bom senso e respeito com os seres vivos, que se estende aos seres humanos que atuam em profissões tão necessárias”, conclui.

Asimp/Copel

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.