Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Copel vai adotar uma série de medidas para reduzir custos. As primeiras iniciativas, que vão gerar economia de R$ 10 milhões por ano, foram anunciadas pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e pelo presidente da companhia, Daniel Pimentel Slaviero, na terça-feira (29), durante a reunião da equipe do governo, no Palácio Iguaçu.

As subsidiárias não terão nomeação de novos diretores adjuntos, haverá redução de 50% dos cargos de assessores e a extinção dos cargos de gerente assistente de superintendência em todas as diretorias. Além disso, será feita a desocupação dos prédios locados em Curitiba – das Ruas Emiliano Perneta e Comendador Araújo e o Polo Barigui, na Rua Mario Tourinho, um total de 5.000 metros quadrados de área útil. Estas medidas serão colocadas em prática a partir de fevereiro.

Somente com pessoal, serão economizados R$ 4,8 milhões por ano, com redução de 35 cargos. Já com a devolução das estruturas prediais, serão menos R$ 3,3 milhões com custo de aluguel no orçamento da Copel e menos R$ 1,9 milhão de gastos com os serviços agregados.

Os 260 empregados que trabalham nestes prédios serão remanejados para as estruturas já existentes. Em 2018 a Copel diminui 563 postos de trabalho com o Programa de Demissão Incentivada (PDI), abrindo não só espaço nos edifícios da empresa como também uma economia de R$ 152 mil ao ano com salários.

“Essas medidas são o primeiro passo de uma série de providências que serão tomadas na revisão da área administrativa da maior empresa do Paraná”, afirmou o governador. “A iniciativa da Companhia faz parte da nossa estratégia de governo de reduzir o custo da máquina pública para sobrar dinheiro para ao que é essencial à população, que é o investimento forte em saúde, educação, segurança e infraestrutura”, enfatizou.

Desde o início da gestão já houve a redução no número de secretarias (de 28 para 15) e haverá fusão de autarquias. O governador congelou salários do primeiro escalão e adotou o uso do brasão (símbolo do Paraná) como marca de gestão, sem gastos com logomarca de gestão.

Também foi encerrado o contrato de locação do jato que estava à disposição do Governo do Estado, com economia de R$ 4,5 milhões, e determinada a auditoria na folha de pessoal ativo e de inativos. A meta estabelecida é reduzir os gastos de custeio da máquina pública em pelo menos 20%

Marca

Na Copel, de acordo com o presidente Daniel Slaviero, outras medidas de controle de gastos estão sendo estudadas para a implantação ao médio e longo prazo. “Estas iniciativas estão alinhadas aos compromissos que assumi na minha posse e em sintonia com as ações administrativas do governador Ratinho Junior,” afirmou.

Ele afirmou iniciativas de melhoria de eficiência e redução de custos, somadas a boas práticas de governança e compliance, são o pilar de sustentação dos negócios da Copel. “Estas medidas representam o início do processo, pois continuaremos atentos a outras iniciativas, de médio e longo prazo, necessárias ao alcance dos objetivos da companhia”, completou.

“Estamos atentos a outras medidas que podem ser tomadas para fortalecer a Copel a fim de que a empresa possa investir mais, atender melhor os seus consumidores e para que ela se mantenha forte para seus acionistas e para a sociedade paranaense”, afirmou.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios