Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) bateu recorde de emissão de Anotações de Responsabilidade Técnica em 2018, segundo levantamento feito pela própria autarquia, em 85 anos de história. No ano passado, foram emitidas 402.400 ARTs.

Na opinião do gerente da regional de Londrina do Crea-PR e Engenheiro Eletricista, Edgar Tsuzuki, os números representam o aumento da formalidade nas áreas de Engenharia, Agronomia e Geociências, o cumprimento da legislação por parte dos profissionais e o reaquecimento da economia.

 “Apesar de tímida, podemos afirmar que houve uma retomada de serviços nessas áreas, principalmente, na de Engenharia. Em razão da crise, houve menor contratação de profissionais e diminuição de investimentos nos últimos anos. Porém, à medida em que há o reaquecimento da economia, percebe-se o aumento na contratação de serviços e empresas”, diz. De acordo com o Crea-PR, de janeiro e agosto deste ano, houve aumento de 8,4% no número de empresas com registro ativo no Crea-PR, passando de 18.106 para 19.631.

No mesmo período, o Crea registrou 270.688 ARTs, o que representa um aumento de 2,5% em relação aos oito primeiros meses de 2018. Porém, se descontada a quantidade de anotações emitidas pelos técnicos industriais no ano passado, uma vez que estes profissionais não fazem mais parte do Crea-PR, o aumento salta para 8%. “Os técnicos industriais constituíram um Conselho profissional próprio em dezembro de 2018. Logo, tivemos a saída de mais de 10 mil profissionais. As ARTs emitidas pelos técnicos representaram 4,3% do total registrado no ano passado no Paraná. Ou seja, mesmo com a saída deles, ainda conseguimos crescer”, compara o gerente da regional de Londrina do Crea-PR.

Outro dado relevante foi o aumento de serviços formalizados na área de Engenharia Elétrica, que cresceu 12% em todo o estado. Os serviços que mais cresceram foram: energias alternativas (243%), sistemas de comunicação por fibra ótica (10%) e sistema de proteção contra descargas atmosféricas (6%).

 “A energia fotovoltaica vem ganhando cada vez mais espaço no mercado devido ao barateamento das placas solares. Além disso, os consumidores estão mais conscientes em relação à economia de energia, o que contribui para a maior procura. Os serviços de telecomunicações em fibra ótica também acompanham a alta demanda por tecnologia de informação”, acrescenta Tzuzuki.

Já em Engenharia Mecânica, o crescimento foi de 5% no Paraná e 7,6% na região de Londrina. Os serviços mais relatados foram de transportes coletivos urbanos e rodoviários e transportes de cargas (26%), central de gás (390%). “A inspeção veicular obrigatória é um serviço de responsabilidade do Engenheiro Mecânico, assim como a instalação de central de gás nos edifícios comerciais, residenciais e indústrias. Somente um profissional capacitado terá conhecimento necessário para adequar o sistema às normas brasileiras em vigor, contribuindo para maior segurança do consumidor final”, finaliza.

Asimp/Crea-PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios