Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com fiscalizações nos 399 municípios e abrangendo todas as modalidades, Conselho pretende reforçar parcerias com órgãos públicos para ampliar ainda mais a assertividade em 2021

Mesmo com a pandemia de Covid-19, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) adotou estratégias para efetuar as fiscalizações, uma das principais atividades-fim da autarquia. O uso de georreferenciamento (coordenadas de GPS) em alguns tipos de Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) e o cruzamento de informações com bancos de dados de órgãos governamentais foram algumas das ações aliadas do Conselho para elevar a eficácia da fiscalização e combater o exercício ilegal e não ético da profissão e, assim, proteger a sociedade.

Segundo levantamento do Departamento de Fiscalização (Defis) do Crea-PR, em 2020 foram fiscalizadas 43.049 atividades de Engenharia, Agronomia e Geociências, envolvendo serviços prestados por profissionais nas mais diversas áreas, como inspeções, manutenções, execuções e elaborações de projetos e laudos.

Na busca pelo equilíbrio das fiscalizações entre as modalidades do Sistema Confea/Crea, que somaram 16.257 em 2020 no Estado, a Engenharia Civil respondeu por 37,7% dos relatórios; Agronomia, com 32,1%; Engenharia Mecânica, com 13,4%; Engenharia Elétrica, com 11,6%. Engenharia Química, Geologia, Engenharia de Minas e Engenharia de Segurança do Trabalho responderam por 5,2% do total.

O presidente do Crea-PR, Engenheiro Civil Ricardo Rocha, destaca que a fiscalização tem sido, desde o início, uma das prioridades de sua gestão. “A fiscalização está na essência das funções do Conselho. Trabalhamos para melhorar a parte organizacional e promover maior integração entre as Câmaras Especializadas das Engenharias e o Defis, com interação com as fontes onde se realizam as atividades”, detalha.

Ricardo Rocha destaca também o uso intensivo da tecnologia. “A pandemia nos deixou um aprendizado e acelerou a digitalização dos nossos processos. Estamos utilizando bancos de dados por meio de parcerias com órgãos públicos. A ideia é intensificar as atividades de fiscalização, torná-las ainda mais eficazes e com resultados, por meio do intenso uso de dados e muita tecnologia, o que estamos denominando fiscalização 5.0”, menciona o presidente do Crea-PR.

Combate ao exercício ilegal

As fiscalizações do ano passado identificaram 11.047 irregularidades, 62% relativas ao exercício ilegal - profissionais ou empresas atuando de forma irregular, ou sem habilitação ou sem registro no Conselho. Ao mesmo tempo, houve 7.085 regularizações. “Foram concluídos quase 13 mil processos, de 2019 e 2020. A atuação permitiu 7.085 regularizações e 399 empresas passaram a contar com profissionais habilitados, como estabelece a legislação”, relata Mariana Maranhão, Engenheira Ambiental e gerente do Defis. Mariana também faz alusão ao trabalho relacionado à ética profissional, para verificar se os engenheiros, agrônomos e geocientistas estão atuando de forma adequada.

A Covid-19 ocasionou muitas dificuldades para as equipes de fiscalização. “Mesmo assim, conseguimos alterar o planejamento e trabalhar com foco no combate ao exercício ilegal das profissões relacionadas ao Crea-PR. Buscamos inovar, com uso de inteligência artificial, cruzamento de dados (convênios com a Copel e a Adapar, por exemplo) e dados georreferenciados”, exemplifica Mariana.

A tendência, segundo a gerente do Defis, é a aplicação de um modelo híbrido para 2021, com ampliação de convênios para cruzamento de dados e do uso de tecnologias, para que as equipes atuem onde houver necessidade de verificações presenciais.

Região de Londrina e Norte Pioneiro

A Regional de Londrina, que compreende os municípios próximos a Londrina e o Norte Pioneiro, teve 1.794 fiscalizações. Nos 52 municípios, o percentual de identificação do exercício ilegal foi de 73% (a média estadual foi de 62%).

“É resultado da presença efetiva dos fiscais em campo, nas lavouras e no setor produtivo, nas indústrias, saúde, condomínios, obras e serviços na área urbana, entre outros. Com a inovação nos processos, a tendência, cada vez maior, é que os fiscais irão aonde há ausência de profissionais habilitados, o que resulta em otimização e assertividade”, resume Israel de Morais, gerente em exercício da Regional Londrina do Crea-PR.

Israel ressalta o esforço de toda a equipe de fiscalização durante a pandemia. “Foi um ano muito difícil. Mas, seguindo todos os protocolos de segurança, e apoiados pelo uso das tecnologias, os fiscais da Regional Londrina alcançaram resultados compatíveis com o restante do estado”, destaca o gerente em exercício.

Denúncias de irregularidades

O Crea-PR também recebeu 3.878 denúncias de obras irregulares, empresas sem registro ou sem profissional habilitado e de exercício ilegal da profissão, no ano passado. Na Regional Londrina, foram registradas 340 denúncias (8,8%) no período.

“Mesmo na pandemia, todas as denúncias recebidas na Regional de Londrina em 2020 foram atendidas com prioridade e tratadas no menor tempo possível”, completa Israel de Morais.

O Crea-PR disponibiliza canais para denúncias: no site (creaweb.crea-pr.org.br/webcrea/denuncia/registrar_denuncia.aspx); no aplicativo Crea-PR para smartphones (Android e IOS); e pelo telefone 0800 041-0067. Não é preciso identificar-se para fazer a denúncia.

Mapa mostra os locais com maior concentração de denúncias atendidas pelo Crea-PR em Londrina - Divulgação

Asimp/Crea-Pr

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.