Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mesmo em meio à pandemia, Crea-PR manteve os trabalhos de fiscalização e avalia que resultados foram positivos

Fundamentais para a sociedade, as obras de infraestrutura não saíram do radar de atividades do Crea-PR durante o ano de 2020. Mesmo em meio à pandemia, que forçou o trabalho remoto e a adaptação de rotinas que antes eram 100% presenciais, o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná se manteve firme nas fiscalizações de obras em estradas, portos, aeroportos, hospitais, escolas e outras estruturas do setor público.

No Paraná, entre janeiro e dezembro do ano passado, 2.336 fiscalizações foram realizadas neste contexto. Os trabalhos são divididos em três etapas. A primeira ocorre ainda na fase das licitações, com avaliação dos editais; verificação dos requisitos necessários para atividades técnicas em conformidade com a Lei nº 8.666 e observância se há, ou não, previsão e existência de projetos. Depois, é analisado se as empresas que estão participando ou venceram os certames possuem registro e profissionais habilitados e, por último, as fiscalizações ocorrem diretamente nas obras, verificando o responsável pela execução de obra e principalmente, o responsável pela fiscalização.

“O principal objetivo destas fiscalizações é verificar se todas as atividades estão sendo realizadas por profissionais habilitados, considerando sua grande importância social, pois os recursos públicos devem ser utilizados seguindo os princípios da economicidade, eficiência e eficácia”, introduz a Engenheira Ambiental e gerente do Departamento de Fiscalização (Defis) do Crea-PR, Mariana Maranhão.

Irregularidades

Das 2.336 fiscalizações realizadas em obras de infraestrutura durante o ano de 2020, 60% apresentaram algum tipo de irregularidade, sendo que a mais comum foi a falta de ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), que ocorre quando há um profissional habilitado responsável pelo serviço, porém não houve registro de ART no Conselho (34%) e a falta de Registro de Pessoa Jurídica, observada quando empresas responsáveis pelas atividades não possuem registro no Conselho e, muitas vezes, estão sem profissional habilitado (20%).

Outras infrações recorrentes foram exercício de atividades estranhas ao contrato e/ou objeto licitado (0,8%); falta de responsável técnico (2,5%); falta de visto ou registro profissional (1,5%) e exercício ilegal da profissão para Pessoa Física (0,5%).

Mesmo em meio às irregularidades, no entanto, outro fato chama bastante a atenção: segundo levantamento do Crea-PR, muitas adequações foram feitas antes mesmo da emissão do auto de infração e até da efetiva fiscalização, que ocorre após a verificação das informações do edital e das empresas contratadas.

“Os municípios estão buscando se adequar às legislações vigentes desde o lançamento do edital, o que ajuda a filtrar e afastar possíveis problemas futuros. Já nos casos em que a regularização ocorre depois do contato com o Crea-PR, percebemos que as empresas fornecedoras estão mais receptivas. Portanto, aproveitamos a ocasião para orientar de forma integral para que a regularização seja feita da forma mais breve possível”, acrescenta Mariana.

Diante disso, 14% tiveram as irregularidades adequadas antes da emissão do auto e 44% estavam totalmente regulares antes mesmo de a fiscalização ocorrer. “Isso comprova que estamos no caminho certo, articulando apoio à gestão pública para diminuir possíveis irregularidades e comunicando os nossos objetivos de maneira clara”, finaliza a Engenheira.

Norte e Norte Pioneiro

No ano de 2020, foram fiscalizadas 394 obras de infraestrutura nos 52 municípios abrangidos pela Regional Londrina do Crea-PR, que compreende também o Norte Pioneiro. Até o momento 235 tiveram os seus processos concluídos, sendo que 57 foram sanados antes mesmo da emissão do auto de infração, o que equivale a 14,46%.

Acompanhando a média estadual, a infração mais comum na Regional foi a falta de ART, correspondendo a 52,3% das irregularidades observadas, e exercício ilegal da profissão por Pessoa Jurídica (42%). Na sequência, aparecem falta de responsável técnico (2,48%); falta de visto Pessoa Jurídica (2,48%) e exercício de atividades estranhas (0,83%).

“O Crea tem realizado um trabalho de orientação nas fiscalizações e, quando há alguma irregularidade, o profissional ou empresa citados com algum tipo de irregularidade recebem um e-mail de alerta sobre a pendência. A maioria já atende e busca solucionar sem a necessidade de aplicação de penalidade”, explica o Facilitador de Fiscalização da Regional Londrina do Crea-PR, Alexandre Barroso.

Ainda de acordo com o Facilitador, os trabalhos de orientação e conscientização da sociedade sobre a importância de um profissional habilitado no planejamento e acompanhamento de obras e serviços de engenharia têm colaborado para que as fiscalizações sejam ainda mais assertivas.

 “No que diz respeito, principalmente, às obras de infraestrutura, sabemos o quanto elas são essenciais para o desenvolvimento e segurança da sociedade, por isso a mobilização é importante, pois reduz a aplicação de multas e irregularidades, mas também motiva mais legalidade e atenção às normas em todos os processos”, finaliza Barroso.

Samara Rosenberger/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.