Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Lançado no ano passado, o Programa de Integração Universidade e Empresa (UIE) integra o Acelera Foz, com objetivo de estimular a economia da região. A parceria envolve o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), Itaipu Binacional, Sebrae, empresas e universidades da região.

O programa proporcionou a estudantes de diferentes áreas iniciarem suas carreiras profissionais, desenvolvendo soluções para pequenas empresas, ajudando a qualificar os negócios de Foz do Iguaçu.

Assim, as empresas são beneficiadas com o trabalho dedicado de acadêmicos que desejam aplicar o que aprenderam em sala de aula. As universidades e professores conseguem enriquecer a experiência acadêmica a partir da aplicação de conceitos teóricos no mercado. E os estudantes aprendem mais, além de receberem bolsas de até R$800, por um período de até 9 meses.

Na última sexta-feira, 22, o diretor superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido visitou duas das empresas que participam do Programa de Integração Universidade e Empresa: A 3Di Engenharia e a Pesque Pague Triângulo.

Na oportunidade, o general Eduardo Garrido destacou a importância dessas parcerias. “O Programa de Integração Universidade Empresa está dentro do Acelera Foz. É um mecanismo que encontramos para diversificar a economia de Foz, levando o jovem da universidade para o ambiente do mundo real. Ou seja, trazer a teoria aprendida e aplicar na prática, vendo as dificuldades reais. Para a empresa, é a oportunidade de contar com o suporte de universitários, que oferecem soluções para problemas que no dia a dia não são identificados pela empresa. Isso motiva a empresa a investir no próprio negócio, trazendo mais clientes, oferecendo mais empregos”, ressaltou.

A 3Di Engenharia desenvolve soluções para o mercado de biogás. Para a estudante de Engenharia Mecânica da UDC, Maysa Panzenhagen, a experiência está sendo essencial para definir o rumo de sua carreira profissional. “Desde o começo do curso, sempre tive interesse na área ambiental, em especial área de energias renováveis. Essa experiência agregou muito para meu conhecimento e reforçou meu desejo de continuar nessa área”, disse.

Já Deivid Engler, proprietário da Pesque Pague Triângulo, explicou que a parceria feita com estudantes de Engenharia de Aquicultura da IFPR, colocou sua empresa em outro patamar.

“Quando eles começaram, havia uma mortalidade alta de peixes. Pedi ao coordenador do curso de Engenharia de Aquicultura da IFPR para avaliar o que estava acontecendo. Ele orientou 3 alunos, que fizeram coleta da água para análises. Pouco a pouco fizemos ajustes na qualidade da água e tivemos resultados muito bons”, explicou.

De acordo com Engler, a parceria foi fundamental para que a empresa fizesse investimentos importantes, como a compra de 4 aeradores para aumentar o nível de oxigênio na água através da movimentação contínua.

O cronograma de visitas nas empresas do Programa IUE começou ainda em 2020 e tem como objetivo ouvir os empresários e os acadêmicos para entender se a proposta está atendendo as expectativas e se é válido iniciar uma segunda rodada de novos editais.

Ascom/Fundação Parque Tecnológico Itaipu – Brasil 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.