Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Passados 10 anos de vigência do Estatuto da Igualdade Racial – ocorrido no último 20 de julho, é chegado o momento de avaliar os resultados de sua aplicação e de refletir sobre os rumos a serem seguidos na perspectiva de garantir à população negra a efetivação da igualdade de oportunidades, a defesa dos direitos étnicos individuais, coletivos e difusos e o combate à discriminação e formas conexas de intolerância étnica.

No Paraná, a partir do impulso inicial gerado pelo Estatuto da Igualdade Racial, foi instituído o Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Lei 17.726/2013), órgão deliberativo, consultivo e fiscalizador das ações governamentais sobre a temática antirracista, que conta com o inédito Fundo Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Decreto N° 11.958/2018). Também, foram criados os primeiros – ainda poucos – Conselhos Municipais de Igualdade Racial no Estado do Paraná.

No âmbito do Ministério Público do Estado do Paraná, foi criado o Núcleo de Promoção da Igualdade Étnico-Racial (Nupier), em 2012, no dia da Consciência Negra, que tem promovido maior aproximação junto a organizações e movimentos sociais, de modo a colher subsídios para as intervenções do Ministério Público em prol da redução da desigualdade racial. Igualmente, têm sido adotadas ações afirmativas para o ingresso de membros e servidores nos quadros do Ministério Público paranaense, bem como realizadas diversas iniciativas para fins de qualificação de membros e servidores do Ministério Público em tema de relações raciais.

Porém, o Nupier reconhece que tais medidas, apesar de importantes, mostram-se indubitavelmente insuficientes, uma vez que ainda permanecem presentes no Paraná os deletérios efeitos da profunda desigualdade racial. Em razão disso, elaborou plano de trabalho prevendo a adoção de medidas antirracistas mais eficazes por parte do Ministério Público do Paraná, tanto na perspectiva interna-institucional quanto em direção à sociedade paranaense, destacando-se as seguintes:

- Especial atenção ao cumprimento e ampliação da legislação de ações afirmativas, bem como aos casos de fraude nos sistemas de cotas para acesso às universidades e cargos públicos, exigindo o Ministério Público a previsão, nos respectivos editais, de mecanismos de fiscalização e controle.

- Nas investigações que apurem notícia de violência manifestada por agentes públicos em desfavor de vítimas negras, levar em consideração o Ministério Público a possibilidade de violência sistêmica, estrutural, psicológica, moral, entre outras (art. 53, do Estatuto da Igualdade Racial).

- Na apuração dos crimes raciais, há que se imprimir maior rigor, sobretudo diante dos casos de racismo recreativo, por vezes considerados meras “brincadeiras inofensivas”.

- Além disso, mais que nunca, deve ser destinada adequada proteção às vítimas de intolerância religiosa, dirigida aos praticantes de religiões de matriz africana, de modo a evitar a destruição de seus locais sagrados e de culto, ameaças a líderes religiosos e restrições desproporcionais a seus rituais.

- Por fim, é necessária a promoção de medidas de educação antirracista e de difusão dos valores e história africana, afro-brasileira e indígena, no âmbito público e privado, sobretudo no âmbito escolar à luz das Leis nº 10.639/2003 e 11.645/2008.

É tempo de o Ministério Público do Paraná, instituição essencial ao cumprimento dos direitos das vítimas de discriminação étnico-racial, renovar seus compromissos com a pauta da igualdade étnico-racial, tanto no enfrentamento repressivo ao racismo, como na promoção de práticas antirracistas – individuais e estruturais, sempre na perspectiva de resgate da dívida histórica para com os povos, raças e etnias que, embora ainda hoje marginalizados, foram responsáveis pela construção dos pilares sociais e econômicos da sociedade brasileira.

Miriam de Freitas Santos -  Procuradora de Justiça e coordenadora do Nupier do MPPR

Olympio de Sá Sotto Maior Neto -  Procurador de Justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Proteção aos Direitos Humanos do MPPR

Amanda Ribeiro dos Santos -  Promotora de Justiça do MPPR

Ana Caroline Monteiro de Moraes - Promotora de Justiça do MPPR

André Luiz Querino Coelho -  Promotor de Justiça do MPPR

Rafael Osvaldo Machado Moura -  Promotor de Justiça do MPPR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.