Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Atividade reverteu queda de agosto com alta de 8,7% este mês e de 14% em relação a setembro de 2019. O crescimento acumulado no ano é de 2,04%

O Paraná exportou US$ 1,512 bilhão em setembro, aumento de 8,7% frente a agosto. Com isso, o estado reverteu a tendência de queda divulgada anteriormente pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia. O resultado foi ainda melhor em relação ao mesmo mês de 2019, com crescimento de 14%.

De janeiro a setembro, as exportações acumulam 2,04% de alta quando comparadas com igual intervalo do ano passado. As importações foram de US$ 922 milhões no mês. O saldo da balança comercial em setembro ficou em US$ 590 milhões, 4,3% maior do que em agosto. De janeiro a setembro, o superávit da balança é de US$ 4,754 bilhões, 70,8% acima do valor registrado no mesmo intervalo de 2019.

“Trata-se de um crescimento robusto na variação do mês, tanto em valor como em volume de produtos exportados”, avalia o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Evânio Felippe. “A elevação de 11,6% no volume de itens comercializados fora do país sinaliza que aos poucos a atividade de comércio internacional está retomando o ritmo perdido no início da pandemia”, ressalta.

A soja foi o principal produto vendido para fora (US$ 544 milhões), 82,4% a mais do que o registrado em setembro do ano passado. Seguido de carnes (US$ 212 milhões), queda de quase 10% no mesmo mês de 2019; material de transporte (US$ 123 milhões), redução de 26% no mesmo período. Em relação a agosto último, as exportações deste item ligado ao segmento automotivo superam os 70% de alta. “Esse é um bom sinal, um alento para o setor que é um dos principais polos industriais do estado e um dos mais impactados pela crise sanitária. Se no mercado interno a demanda por veículos ainda é insuficiente, as vendas externas podem ser uma boa alternativa para reaquecer a atividade e ajudar na trajetória de recuperação”, afirma.

Esta tendência se refletiu na avaliação dos principais produtos importados no mês. Material de transporte foi o quinto produto mais comprado pelo estado (US$ 67,2 milhões), 65% a mais do que o em agosto. “Considerando que aproximadamente 60% das peças para produção de um veículo são importadas, mesmo com a queda de 55% com relação a setembro de 2019, esse valor indica que o setor automotivo está retomando a produção gradativamente, mesmo que com foco no mercado externo”, destaca.

Produtos químicos, principalmente fertilizantes e adubos, foram os principais itens importados pelo Paraná em setembro (US$ 370,8 milhões). Depois vieram produtos mecânicos (US$ 91 milhões); derivados do petróleo (US$ 85 milhões); e materiais elétricos (US$ 73 milhões).

Outro fator que fomenta a atividade de exportação é a variação cambial, diz o economista. Só este ano houve uma depreciação de 31% do real frente ao dólar. Essa desvalorização influencia o preço do produto brasileiro no mercado internacional, já que fica mais barato. “Há um ganho de competitividade. Neste momento, exportar é uma boa estratégia para a recuperação da indústria”, completa. “Por outro lado, importar fica mais caro e prejudica atividades que dependem de matéria-prima de fora em seus processos produtivos”, conclui.

Patricia Gomes/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.