Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

 “Os casos de violência doméstica no Paraná aumentaram 8,5% no primeiro trimestre desse ano na comparação com o mesmo período de 2019, de acordo com a secretaria estadual de Segurança Pública. Mulheres que são covardemente agredidas com tapas, chutes, socos, ameaças de morte, tentativas de homicídio por seus companheiros. Uma rede de proteção que as proteja e defenda é o que precisamos”, disse o deputado estadual Cobra Repórter (PSD) que, ontem (06), apresentou, na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), um projeto de lei para instituir, em caráter permanente, a Força Tarefa de Defesa da Mulher de prevenção e combate aos crimes contra as mulheres integrada por representantes dos três Poderes do Estado e da sociedade civil.

Segundo o projeto de lei do deputado Cobra Repórter, a Força Tarefa de Defesa da Mulher terá uma coordenadora geral indicada pelo secretário estadual de Justiça, Família e do Trabalho ou pela respectiva pasta do Poder Executivo que eventualmente a suceder, responsável pela execução das políticas públicas de defesa da mulher, recebendo integral assessoramento e apoio administrativo.

Estão entre os objetivos da Força Tarefa de Defesa da Mulher: a promoção de igualdade de direitos entre homens e mulheres; efetivação dos preceitos contidos na Lei Maria da Penha, Lei Federal nº 11.340/06; concentrar o apoio e participação executiva de organismos de todos os Poderes do Estado, da sociedade civil organizada e empresas privadas para realização operacional de ações de resultado imediato e efetivo, de prevenção, combate e repressão aos crimes contra as mulheres;  integrar os poderes públicos municipais à Força Tarefa de Defesa da Mulher incentivando a criação nos municípios de comissões temáticas permanentes Defesa dos Direitos da Mulher nas Câmaras Municipais, como canais de recepção de denúncias e reclamações.

 “Na elaboração deste tão importante projeto de lei, quero destacar aqui a idealização da Força Tarefa de Defesa da Mulher pela delegada de Londrina, Magda Hofstaetter, e o apoio da presidente da Comissão da Mulher na Alep, a deputada estadual Cantora Mara Lima”, destacou o deputado Cobra Repórter, que também é o presidente da Comissão de Defesa dos Direitos das Crianças, Adolescentes, Idosos e Pessoas com Deficiência (Criai) da Assembleia Legislativa do Paraná.

O deputado lembra ainda que, para agravar ainda mais a situação, estamos vivendo um período de pandemia em que têm limitado que as vítimas rompam o ciclo de violência. “As mulheres estão mais suscetíveis à agressão e tendo mais dificuldade na hora de pedir socorro já que as medidas de distanciamento social as levam a ficar sob o mesmo teto do agressor o que muitas vezes as inibe de prestar queixa”, lembrou Cobra Repórter.

Meire Bicudo e Veruska Barison/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.