Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira entrega do programa que vai repassar alimentos a 907 entidades sociais no Estado aconteceu ontem (23) para a Santa Casa de Curitiba. Os produtos serão fornecidos por 148 associações e cooperativas da agricultura familiar.

O Governo do Estado vai fornecer alimentos a 907 entidades sociais por meio do programa Compra Direta Paraná. A primeira entrega aconteceu ontem (23) para a Santa Casa de Curitiba. Os alimentos repassados pelo programa serão fornecidos por 148 associações e cooperativas da agricultura familiar que se credenciaram por meio de edital de chamada pública. Ao todo, 12,5 mil agricultores estão envolvidos.

“Ter alimento na mesa é tão importante para continuar vivo quanto cuidar da saúde e seguir as orientações de segurança”, disse o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. “É tarefa do Estado dar amparo às famílias mais vulneráveis e é isso que estamos fazendo com mais este programa.”

O governo estadual destinou R$ 20 milhões para o Compra Direta, recursos do Fundo Estadual de Combate à Pobreza (Fecop). Entre as entidades beneficiadas estão Centros de Referência em Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas), que poderão distribuir cestas básicas diretamente à população vulnerável.

O restante é formado por hospitais filantrópicos; unidades de acolhimento para crianças, adolescentes, mulheres vítimas de violência e idosos; unidades terapêuticas; instituições de atendimento a indivíduos em situação de rua; casas de passagem; restaurantes populares; cozinhas comunitárias; bancos de alimentos e similares.

“Neste momento da pandemia da Covid-19, pensar em segurança alimentar e nutricional passa por facilitar o acesso à alimentação para aqueles que mais necessitam”, disse a diretora do Departamento de Segurança Alimentar e Nutricional (Desan) da Secretaria de Estado da Agricultura, Márcia Stolarski. “A manutenção de uma alimentação saudável é fundamental para fortalecer a imunidade e promover a melhoria das condições de saúde, prevenindo doenças oportunistas.”

Santa Casa

Entre os beneficiados, há 47 hospitais filantrópicos. Um deles é a Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Curitiba. As doações ajudarão a economizar parte dos aproximadamente R$ 200 mil gastos para alimentar cerca de 1,6 mil colaboradores e mil pacientes que se internam todos os meses.

“Uso esse recurso para fazer o trabalho da assistência em si, medicamento, pagamento de médico, de profissionais, insumos”, disse o diretor-geral da entidade, Eduardo Otoni. “Todo tipo de contribuição da sociedade ou do Governo é superimportante para a gente.”

A Santa Casa de Curitiba tem 140 anos de história. “Todos os dias, a Santa Casa esteve com as portas abertas, inclusive agora, quando todo mundo fechou, quem ficou aberto foram os hospitais”, acentuou Otoni. “A sociedade está entendendo a importância das instituições da saúde e vem ajudando como pode.”

Prevenção

Em Arapongas, serão oferecidas cerca de 700 refeições diárias para quatro entidades que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade. “Vai ajudar muito, principalmente para a imunidade das pessoas neste momento de pandemia, com o reforço de frutas e legumes”, disse a secretária municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Niele Cristina Lima de Melo.

Uma das entidades beneficiadas é o Lar São Vicente de Paulo, onde estão 48 idosos. “Eles não têm mais condições de viverem sozinhos, alguns não possuem vínculos familiares ou a família não consegue cuidar, e muitos estão com problemas de saúde”, disse a assistente social da instituição, Beatriz Prado da Silva Domingos.

Ligada ao movimento religioso Vicentinos, o lar conta com a ajuda da sociedade. “Não fossem as doações, acho que não conseguiria se manter”, afirmou a assistente social. Mas, devido à pandemia, muitas pessoas ficaram desempregadas e as contribuições também reduziram.

Para Beatriz, a ajuda do Compra Direta Paraná será importante para garantir alimentação mais saudável. “Muitos são diabéticos, hipertensos, e a gente sabe que esses alimentos vão contribuir para a melhora do serviço, melhora da saúde e para ter uma alimentação mais nutritiva”, salientou.

No mesmo município, o Lar Bom Menino, que tem atividades de contraturno escolar, reduziu o número de crianças no período de pandemia, em decorrência do cancelamento de aulas presenciais, mas ainda há muitas que comparecem diariamente. “Para algumas crianças esta é a principal refeição”, disse o presidente da instituição, Paulo Penacchi.

Mesa colorida

Em Maringá, o Mesa Brasil, do Sesc, receberá os alimentos do Compra Direta para entregar a instituições filantrópicas. O Mesa repassa a cerca de 70 entidades e estas preparam as refeições ou entregam os alimentos às famílias, atendendo aproximadamente 16 mil pessoas na cidade.

Segundo a nutricionista do projeto, Gislaine Nazareth Moreno, normalmente as cestas básicas doadas têm mais alimentos não perecíveis. “Os alimentos da agricultura familiar enriquecem muito, por serem colhidos praticamente no mesmo dia e terem valor nutricional muito maior”, disse. “A mesa fica muito mais colorida, muito mais saudável.”

Entrega direta

O programa é importante também para os produtores que fornecem o alimento de forma direta. “É uma via direta de comercialização, o produtor consegue um valor agregado maior no produto do que se tivesse um atravessador ou uma empresa de empacotamento”, disse o presidente da Cooperativa de Produtores Orgânicos e de Produção Agroecológica (Coaopa), Luciano Escher.

A cooperativa tem 317 agricultores e é uma das responsáveis pela entrega de alimentos orgânicos à Santa Casa até agosto. “Juntou a fome do agricultor, que estava com o produto parado ou até mesmo perdendo a produção, com a fome do outro lado, de quem precisa ter acesso a esse produto”, afirmou Escher.

Emergência

A presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) no Paraná, Roseli Pittner, disse que o programa era pensado ainda antes da pandemia e precisou ser implantado para o atendimento emergencial.

“Entendemos que atende o seu objetivo principal que é oferecer alimento através de doação para as entidades socioassistenciais, garantindo, neste momento crítico para nossa economia, a comida de verdade para grupos vulneráveis”, afirmou.

Ela também destacou o fato de a compra e a oferta serem feitas localmente. “Cria um circuito curto de comercialização, facilitando a entrega e respeitando o isolamento social”, ponderou.

AEN

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.