Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Incra celebrou ontem, 9 de julho, o cinquentenário de criação da autarquia federal e, no Paraná, a atuação foi lembrada por vários parlamentares, com a tramitação e aprovação de requerimentos de votos de congratulações e louvor e moções de aplauso nos poderes legislativo estadual e municipais.

No estado, são 329 assentamentos em 111 municípios – o equivalente a 2,14 % do território, ou pouco mais de 429 mil hectares – nos quais vivem da atividade agrícola aproximadamente 18 mil famílias. Em Curitiba está situada a sede da Superintendência Regional e no município de Cascavel, na região Oeste, funciona o Serviço de Regularização Fundiária (foto). No Sudoeste, o Incra mantém a Unidade Avançada Iguaçu, em Francisco Beltrão.

Na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná (ALEP), na capital, teve um requerimento proposto pelo secretário estadual de Administração e Previdência e deputado estadual licenciado, Marcel Micheletto. Na Câmara Municipal de Curitiba, houve uma proposição solicitando votos de aplausos e congratulações ao Incra, de autoria do vereador Pier Petruziello.

No interior do estado, o Incra também recebeu homenagens. Em Cascavel, na Câmara Municipal do município, teve o requerimento proposto e aprovado pelo vereador Rafael Brugnerotto. Em Guarapuava, o Incra receberá a proposição do vereador Germano Toledo Alves. E no município de Jesuítas, a proposição será encaminhada pelo vereador Rogério Figueiredo Jorge.

Cooperação municipal

Além da finalidade de executar a reforma agrária, o Incra tem como missão realizar o ordenamento fundiário nacional. Desta forma, a autarquia possui, no estado, acordos de cooperação técnica com 358 dos 399 municípios paranaenses, com o objetivo de manter as Unidades Municipais de Cadastramento (UMCs).

A UMC atende as questões relacionadas ao cadastro dos imóveis rurais no Sistema Nacional de Cadastro Rural (SNCR), recepcionando demandas, orientando interessados e provendo a atualização cadastral dos imóveis localizados no município, sejam os titulares moradores ou residentes em outro local. A atualização cadastral independe do georreferenciamento do imóvel rural, obrigatório nos casos de alienação de áreas acima de 100 hectares.

Faixa de Fronteira

Desde 1966, o Incra foi instituído como o gestor das terras rurais situadas na Faixa de Fronteira. O estabelecimento das faixas de fronteira teve por motivação principal a própria segurança do território brasileiro. No Estado do Paraná, a faixa abrange 139 municípios, com uma área de aproximadamente 6,5 milhões de hectares – o que corresponde à cerca de 1/3 do território paranaense.

 “A maior parte do acervo histórico e documental das propriedades do Oeste e Sudoeste do Paraná está sob a guarda do Incra. Temos a missão de garantir a manutenção da memória da colonização do Paraná. Nosso corpo técnico trabalha intensamente para proporcionar a devida segurança jurídica, não só para a autarquia mas, também, para a sociedade em geral que deseja ter seu direito à terra garantido”, diz o superintendente regional do Incra/PR, Robson Luís Bastos.

Atualmente, há cerca de 200 mil processos na autarquia, sendo 80 mil deles referentes às titulações já realizadas, com seus respectivos comprovantes de pagamentos, e 40 mil ações de ratificação, além daqueles de titulação ainda por realizar. Há também o arquivo do extinto Grupo Executivo para as Terras do Sudoeste do Paraná (GETSOP), que titulou 32,2 mil lotes rurais e 24,6 mil urbanos na região.

Histórico

O decreto-lei 1.110, que criou o Incra, foi editado em 9 de julho de 1970 pelo então presidente da República, Emílio Garrastazu Médici, e pelo ministro da Agricultura, Luís Fernando Cirne Lima.

No Paraná, a autarquia foi fundamental para a criação e desenvolvimento de municípios como Honório Serpa, Marquinho, Cantagalo e Goioxim, a partir de projetos de colonização e assentamentos de reforma agrária. Segundo levantamento histórico realizado pela regional do instituto, por meio da publicação impressa denominada “Incra Paraná – Quatro Décadas de História”, as empresas que se instalavam no estado para levar adiante o processo de colonização eram concessionárias de grandes áreas de terra.

A atuação delas influenciou positivamente no crescimento populacional com a atração de trabalhadores rurais para a construção de ferrovias. Em 1930, o novo governo federal tornou nulos os títulos de domínio até então expedidos e criou a Colônia Nacional General Osório (Cango), com o objetivo de atrair mão de obra agrícola principalmente do Rio Grande do Sul e do Sudoeste do Paraná, para o recém-criado Território Nacional do Iguaçu.

Em 1961, aconteceu a desapropriação de 500 mil hectares de terra na gleba Missões e em parte da gleba Chopim, no Sudoeste do estado. O objetivo era atender a reivindicação de mais de 50 mil ocupantes. Com a criação do GETSOP, foram concedidos títulos de propriedade aos então posseiros. Dados históricos mostram que o grupo regularizou mais de 43 mil títulos de propriedade de terra, principalmente nos municípios de Francisco Beltrão e Dois Vizinhos.

Logo no ano seguinte, em 1962, houve a criação da Superintendência Regional de Política Agrária (Supra), como sucessora do Instituto Nacional de Imigração e Colonização (Inic), com a atribuição de executar a reforma agrária. Com a sanção do Estatuto da Terra, em 1964, foram criados o Instituto Brasileiro de Reforma Agrária (Ibra) e o Instituto Nacional de Desenvolvimento Agrário (Inda), que substituíram a Supra. Seis anos depois, esses dois institutos viriam a ser extintos, dando origem, então, ao Incra.

Ascom/Incra/PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.