Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Instituições, que somam oito, estão em uma rampa de crescimento gradativa e constante

Os institutos Senai de Tecnologia e Inovação do Paraná passaram por avaliações de maturidade que mostraram bom desenvolvimento dos processos e trabalhos das instituições em 2016. As avaliações, feitas pelo Departamento Nacional do Senai e pelo Instituto de Fraunhofer, da Alemanha, são norteadoras dos trabalhos dos institutos.

O Instituto Senai de Inovação (ISI) em Eletroquímica, que funciona em Curitiba, atingiu um nível de maturidade alto para uma instituição com apenas três anos de funcionamento (o ISI começou a atuar em setembro de 2013). Conforme a avaliação de maturidade ou Maturity Check, o ISI atingiu o nível 4c, em uma escala de níveis que vai até 9.

Segundo Luiz Carlos Ferracin, gerente executivo de Inovação do Sistema Fiep, o bom desempenho do ISI de Eletroquímica se deve a alguns fatores, como estruturação estratégica interna; atuação com foco nas empresas que têm maior aderência às soluções tecnológicas e inovações, no qual o instituto se propõe a realizar; alto grau de assertividade nas discussões de interesse industrial; abordagem de temas industriais atuais com grande chance de sucesso após finalização do projeto; aproveitamento de editais e fomentos, que possuam condições de subsidiar parte do projeto; e uso de ferramentas internas do Sistema Fiep para atuação estratégica, como os Observatórios e o Centro Internacional de Inovação do Sistema Fiep. “Mesmo com três anos de operação, nossa atuação representa uma rampa de crescimento que corresponderia, na Alemanha, a uma expectativa de período entre quatro e cinco anos”, diz.

O processo de avaliação realizado pelos alemães e pelo Departamento Nacional do Senai verifica a situação atual do instituto em termos financeiros e de gestão. O objetivo, conforme explica o facilitador de pesquisa e desenvolvimento, Henrique Stefani, do ISI de Eletroquímica, é coletar informações e com elas enquadrar o instituto em uma escala de maturidade em que cada nível possui requisitos que devem ser cumpridos, anualmente, para se manter ou progredir.

Stefani acrescenta que o índice de 4c atingido pelo ISI em Eletroquímica possui requisitos desafiadores que devem ser cumpridos, tais como: todas as áreas de serviço em operação, 60% do investimento proposto já realizado, ter seu primeiro projeto de pesquisa e desenvolvimento concluído, nove projetos de pesquisa e desenvolvimento em execução, entre outros.

Para os próximos anos, a tendência, segundo Stefani, é de que o ISI atinja o nível máximo de maturidade em 2019, com sete anos de operação. "A projeção para que um instituto alcance o nível 9 de maturidade é de 15 anos. Um dos grandes marcos na escala de maturidade do instituto é o atingimento da sustentabilidade financeira que é planejado para se atingir em 9 anos juntamente com o nível de maturidade 6", explica.

Institutos de Tecnologia

Todos os sete institutos de tecnologia do Senai no estado tiveram boa avaliação por parte do Departamento Nacional, na opinião de Ferracin. O Instituto Senai de Tecnologia da Informação e Comunicação, de Londrina, teve índice 7; com índice 6 ficaram os institutos de Construção Civil (de Ponta Grossa) e Madeira e Mobiliário (de Arapongas); com índice 5 aparecem os institutos de Papel e Celulose (de Telêmaco Borba) e Meio Ambiente (Curitiba); e com o índice 4 estão os institutos de Alimentos e Refrigeração (Toledo) e Metalmecânica (Maringá). “O importante é que todos os Institutos tenham uma Maturidade Similar e que cresçam juntos, para que nos tornemos coesos e fortes”, afirma.

Para Ferracin, até mesmo as diferentes notas de avaliação de cada um dos institutos pode ajudar toda a rede a se desenvolver em conjunto. “Muitos dos institutos estão em uma rampa de crescimento gradativa e constante. Outros atingiram um crescimento mais rápido, principalmente aqueles que já partiram de estruturas pré-estabelecidas no passado. A avaliação também aponta que alguns institutos estão com maior propriedade de sensibilização para encaminhar projetos. Temos que usar deste conhecimento interno de alguns institutos e replicar para institutos que obtiveram um grau de maturidade inferior”.

O desempenho dos institutos é bem avaliado, inclusive, na comparação com outros, presentes nos demais estados brasileiros. O Instituto Senai de Tecnologia da Informação e Comunicação, por exemplo, foi o único a receber, até o início de dezembro, o índice 7 de maturidade. “Outros institutos do Paraná estão posicionados dentro da expectativa. Mas precisamos estar em alerta constante para que esta rampa continue ascendente, mesmo em momentos de crise econômica, como o que vivenciamos agora”, acrescenta Ferracin.

Renato Cipriano/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios