Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Há urgência para se encontrar soluções às questões ambientais que se agravam dia a dia e já ameaçam a vida no planeta como consequência das atividades humanas que destroem o meio ambiente, não só nos continentes, mas também nos oceanos. São emergências causadas pelo aquecimento global, a poluição, o desmatamento e a exploração indiscriminada dos recursos naturais.

“Por isso, valorizar e promover as atividades de instituições como as realizadas pelo Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) do Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) são tão importantes”, disse o deputado estadual Goura (PDT), ao entregar no último dia 11, a Menção Honrosa, que foi proposta por ele e aprovada por unanimidade pela Assembleia Legislativa do Paraná, para a coordenadora do LEC/UFPR, Camila Domit.

Para o deputado Goura, que preside a Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais da Assembleia Legislativa, é preciso sair da inação porque as emergências ambientais têm consequências diretas no agravamento dos problemas econômicos, sociais e políticos. Por isso, é necessário mobilizar atores públicos, privados e da sociedade civil organizada em ações que encontrem soluções e revertam os danos ambientais.

 “O LEC/UFPR é um exemplo dessa ação fundamental para a preservação que faz uso da ciência que permitem compreender as mudanças que estão ocorrendo no oceano e desenvolver soluções sustentáveis”, disse Goura. “Esse alerta para se agir imediatamente contra as emergências ambientais não pode ser encarado como um alarmismo ou catastrofismo”, afirmou o deputado.

Agradecimento

“Agradecemos, em nome de toda a equipe do LEC/UFPR esta Menção Honrosa concedida pela Assembleia Legislativa do Paraná́. O reconhecimento do LEC/UFPR pelos representantes da sociedade paranaense, capitaneado neste ato pelo deputado Goura é um importante estímulo para continuarmos a trilhar nossa missão” disse Camila Domit.

O vice-diretor do Campus da UFPR em Pontal do Paraná́ – Centro de Estudos do Mar (CPP- CEM), Alexandre Bernardino, também participou da homenagem que aconteceu no Centro de Reabilitação e Despetrolização e Análise da Saúde da Fauna Marinha (CRED), que funciona junto ao CEM-UFPR, em Pontal do Paraná, no Balneário Pontal do Sul.

 “O LEC coordena e executa ações de pesquisa, monitoramento e resgate de animais da fauna marinha no Litoral do Paraná. São mamíferos como leões marinhos, focas e lontras; aves e tartarugas marinhas, além de arraias, tubarões, lontras e outros animais”, explicou Domit ao apresentar as instalações do CRED ao deputado e assessores.

A pesquisadora explicou que o centro faz parte do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP/UFPR), que atende exigências do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos, conduzido pelo Ibama.

 “Nós fazemos o monitoramento das praias do nosso litoral para avaliar os impactos das atividades de escoamento de petróleo. Também fazemos o resgate e o atendimento veterinário de animais vivos e a necropsia dos animais mortos”, explicou.

Colabore com o resgate

“Caso encontre ou capture golfinhos, botos, tartarugas marinhas, foca, lobos ou leões-marinhos, por favor, colabore e comunique a nossa equipe nos telefones 0800 642 3341, (41) 3511-8671 ou (41) 9854-3710. As equipes do LEC-UFPR estão de plantão 24 horas todos os dias da semana”, informou Domit.

Segundo a coordenado do LEC-UFPR, são encontrados, em média, dois mil animais marinhos no Litoral do Paraná. “Deste total, só 8% estão vivos e cerca de 40% dos que passam por atendimento se recuperam”. Ele explicou que nas instalações do CRED são feitos os exames para saber a causa da morte dos animais marinhos.

Crueldade contra animais

“Não é só a atividade pesqueira, poluição, que acontece geralmente por agrotóxicos, ou algum outro tipo de incidente que causam a morte de animais marinhos. Por mais incrível que possa parecer a crueldade contra os animais também é muito impactante. Chegam a amarrar as pernas de gaivotas para empinar como uma pipa ou de arraia como também se diz”, contou.

Década dos Oceanos

A Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável, ou popularmente denominada “Década dos Oceanos”, de 2021 até 2030, foi proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) para conscientizar a população global sobre a importância dos oceanos e para mobilizar atores públicos, privados e da sociedade civil organizada em ações que favoreçam a saúde e a sustentabilidade dos mares.

Coalizão UFPR pela Década do Oceano

A UFPR firmou parceria com a Unesco e lançou uma coalizão para reunir pesquisadores pela Década dos Oceanos, com uma estrutura comum para que a ciência oceânica garanta a implementação da Agenda 2030 no âmbito dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU. A ação e articulada pelo Programa de Pós-Graduação em Pós-Graduação em Sistemas Costeiros Oceânicos do CEM/UFPR.

Década dos Oceanos no Brasil

No Brasil, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação está coordenando a iniciativa nacional e desenvolvendo o Plano Nacional para a Década dos Oceanos, que tem a participação colaborativa de diversos atores da sociedade, incluindo empresas, instituições de pesquisa, movimentos sociais e organizações não governamentais.

ALEP

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios