Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), recebeu na segunda-feira (19) a mensagem do Poder Executivo com o anteprojeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022. A proposta, entregue pelo secretário-chefe da Casa Civil, Guto Silva, e pelo secretário da Fazenda, Renê Garcia Junior, precisa ser votada pelos deputados até o mês de julho e prevê uma receita líquida de R$ 48,3 bi. O anteprojeto havia sido protocolado eletronicamente no dia 15, data limite para a entrega do documento no Poder Legislativo.

 “A LDO é um instrumento mais importante que o Governo encaminha à Assembleia porque ela é toda a peça que vai direcionar o que vai acontecer no ano de 2022”, disse o presidente Traiano. “A proposta prevê um déficit na arrecadação de R$ 2,7 bilhões e o Poder Legislativo tem a grande responsabilidade de trabalhar essa peça par anão gerar ainda mais despesas ao Estado. Aqui na Assembleia temos procurado fazer uma economia permanente de recursos, com devoluções constantes ao Estado e agora, com um aporte de R$ 250 milhões no Programa Paraná Mais Cidades, e o Governo também busca alternativas para resolver a queda de arrecadação e implementar medidas nas áreas fundamentais como saúde, segurança e educação”, completou.

Diferente do que acontece em 2020, quando a LDO foi votada somente em dezembro, Traiano acredita que neste ano a análise do documento deverá ser realizada e votada dentro do prazo previsto, até 17 de julho. “Ano passado foi ano bem atípico. Estávamos no período em que a pandemia era difícil prever o que iria acontecer. Como necessitava de medidas urgentes não tivemos recesso. Agora, ainda temos 3 meses e acredito que é possível votarmos a LDO até o encerramento do período legislativo do primeiro semestre”, disse.

A proposta, foi na sessão plenária desta segunda-feira (19) e segue para análise da Comissão de Orçamento que, na sequência, irá abrir prazo para que os deputados possam apresentar emendas ao texto.

O secretário chefe da Casa Civil, Guto Silva, relatou que a LDO, por mais um ano, teve que ser ajustada em razão dos efeitos do coronavírus e do déficit causado pela queda de arrecadação do ICMS, a principal fonte de receita do Estado. Segundo ele, a arrecadação prevista para 2022 é igual a de 2 anos atrás.  “Uma queda de R$ 2,7 bilhões. Se somarmos com o ano passado, R$ 3,7 bilhões, o Estado tem um déficit de arrecadação de mais de R$ 6 bilhões. O grande esforço é a contingência nos gastos, continuar com medidas de cortes”, explicou. “Mas o Govenro está determinado e avançando nos investimentos e combate ao desperdício. Temos que continuar fazendo o dever de casa par ao Estado ter condições de captar recursos”, completou.

Segundo Guto Silva, graças a recursos captados em instituições financeiras será possível o Estado ampliar a capacidade de investimentos, passando de R$ 2,6 bilhões para R$ 4,5 bilhões

O documento foi recebido por Traiano, acompanhado do primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), do líder do Governo, deputado Hussein Bakri (PSD).

Para Romanelli, a LDO é “uma fotografia do momento, por isso ela pode e deve ser atualizada quando necessária. A notícia do Governo é que estamos com as contas equilibradas, mas um déficit previsto de receita orçamentária, que é o principal produto que nós temos, requer um momento de muita cautela em termos de gastos”.

Fixa metas

A LDO prevê para o exercício de 2022 receita bruta de R$ 65,5 bilhões e uma receita liquida de R$ 48,3 bilhões. Em ICMS a previsão é uma arrecadação de R$ 33 bilhões.

A LDO estabelece as diretrizes para a elaboração e execução da Lei de Orçamento Anual (LOA), que é examinada e votada pela Assembleia no segundo semestre. Ela fixa as metas e as prioridades da administração estadual, os eventuais ajustes do plano plurianual (PPA), as metas fiscais e as projeções de receitas e despesas. Uma de suas funções básicas é harmonizar a implementação da LOA com os objetivos de médio e longo prazo da administração pública. A LDO também faz um diagnóstico dos potenciais riscos fiscais e orçamentários, detalha os passivos contingentes e as demandas judiciais, além de trazer esclarecimentos sobre o cumprimento das metas fiscais do exercício anterior. Os propósitos e a natureza da LDO estão previstos no artigo 133 da Constituição do Estado e na Lei Complementar Federal 101, de maio de 2000.

ALEP

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.