Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Paraná alcançou 1.017 leitos de UTI para adultos exclusivos para tratamento da doença.

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, elogiou na quinta-feira (23) a estratégia do Governo de Estado de adiantar a construção de três hospitais regionais (Guarapuava, Telêmaco Borba e Ivaiporã) e ativar estruturas novas nos hospitais universitários de Londrina (nova maternidade), Cascavel (ala de queimados), Ponta Grossa e Maringá (clínica para adultos) para atendimento emergencial contra a Covid-19.

“Utilizar estruturas prontas para fazer o combate à Covid-19 é a melhor solução”, disse Pazuello. “O Paraná tinha essa possibilidade de ampliação, isso ficará como legado para a sociedade. O Estado tem uma estrutura hospitalar muito consolidada”.

No encontro com o governador, o ministro confirmou a renovação imediata da habilitação (procedimento pelo qual a União passa a custear algumas despesas dessas estruturas) de 438 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 35 leitos de UTI pediátrica no Paraná, além da habilitação de 303 novos leitos de UTI nos próximos meses.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior explicou ao ministro que o Paraná vinha adotando uma estratégia regionalizada no atendimento em saúde e potencializou essa rede para atender a sociedade durante a pandemia. O Paraná alcançou nesta quarta-feira 1.017 leitos de UTI para adultos exclusivos para tratamento da doença.

“Fizemos uma opção por não utilizar hospitais de campanha e investir em estruturas capazes de fazer um atendimento regionalizado emergencial nesse momento, mas com capacidade para deixar esse legado nos municípios”, disse o governador. “Com isso, aproximamos o atendimento das pessoas e reforçamos os hospitais públicos, universitários, privados e filantrópicos que fazem parte da rede estadual”.

A estrutura atual representa aumento de 76,5% em relação ao estoque de UTIs de antes da pandemia, que era de 1.329 leitos. As UTIs foram montadas em apenas 130 dias e estão distribuídos em 54 unidades médicas de 33 municípios. Também foram implementados 1.557 leitos de enfermaria, 49 UTIs pediátricas e 70 enfermarias para crianças em todas as regiões do Estado.

Legado

“Haverá um legado ao povo paranaense. O exemplo de não abrir hospital de campanha e reforçar as estruturas estaduais deveria ser seguido por todos”, reforçou o secretário-executivo do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira, que também participou do encontro.

“A melhor estratégia é utilizar os equipamentos que os municípios têm, não fazer hospital de campanha. A epidemia deixará legados físicos e de treinamento das equipes”, acrescentou o deputado federal Luís Antônio Teixeira, presidente da Comissão Externa do Coronavírus da Câmara dos Deputados.

Eles acompanharam a comitiva do Ministério da Saúde ao Paraná. O dia de trabalho envolveu uma reunião de autoridades federais e paranaenses e um encontro técnico entre representantes da pasta federal responsável pelo enfrentamento da pandemia e diretores da Secretaria de Saúde.

Elogios

O ministro Eduardo Pazuello também elogiou a estratégia de testagem do Paraná. O Estado ampliou ainda no começo da pandemia o número de testes do tipo gold (RT-PCR) no Laboratório Central (Lacen) de 200 para 600 por dia, e, em maio, inaugurou uma unidade de testagem em colaboração com o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) dentro do câmpus CIC do Tepcar (Instituto de Tecnologia do Paraná), com capacidade para mais cinco mil testes por dia.

O Paraná é o segundo Estado que mais testa em números absolutos no País, atrás apenas de São Paulo, segundo o Ministério da Saúde. “O Paraná está testando com estratégia, o Estado está na frente. Isso significa identificar grupos e agir em cima deles, não adianta testar por testar. O objetivo é identificar no começo da transmissão para evitar evolução mais gravosa da doença, além de possibilitar ação imediata do Poder Público”, disse o ministro.

Ele também afirmou que o Paraná tem feito a lição de casa em relação a compra de equipamento e transparência nos gastos.

Segundo a entidade Open Knowledge, que mede o índice de transparência dos estados na luta contra a Covid-19, o Paraná tem nota 83, classificada como alta. Nenhuma unidade da federação conseguiu atingir os 100 pontos. O Estado aparece desde o começo da pandemia entre os líderes.

A Secretaria de Estado da Saúde também conseguiu comprar respiradores por preços abaixo do mercado durante a pandemia. O custo médio foi de R$ 65 mil, mas alguns custaram R$ 40 mil, enquanto em outros estados os valores alcançaram até R$ 226 mil.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.