Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Teve início na última segunda-feira, 16 de novembro, e segue até sexta-feira (20) a Semana Internacional da Justiça Restaurativa, mobilização que busca chamar a atenção da sociedade e dos atores do sistema de justiça para a importância da adoção de práticas alternativas para a transformação positiva de conflitos. No Ministério Público do Paraná, o tema é coordenado pelo Núcleo de Práticas e Incentivo à Autocomposição (Nupia), que fomenta a adoção de práticas de justiça restaurativa pelas Promotorias de Justiça em todo o estado.

Alternativas

Neste ano, a campanha traz como temas “A Justiça Restaurativa e o enfrentamento dos danos causados pela pandemia de Covid-19” e “A expansão da consciência dos benefícios da justiça restaurativa e sua aplicabilidade a uma ampla gama de contextos”. A Semana de Justiça Restaurativa acontece não somente no Brasil, mas também em diversos países, como Canadá, Nova Zelândia, África do Sul e Japão. Em contraposição ao sistema de justiça convencional, no qual o foco é a identificação dos autores das práticas delitivas e a posterior imposição de penas a serem cumpridas pelos responsáveis, a justiça restaurativa busca alternativas construtivas de valorização da vítima, responsabilização dos autores, reconhecimento e reparação das consequências dos crimes causados.

No MPPR, estão em curso diversas iniciativas voltadas à divulgação, fomento e execução de práticas restaurativas, em diferentes regiões do estado, ligadas às áreas da Infância e Juventude, Criminal e de Execuções Penais, do Idoso e de Direitos Humanos, entre outras. Conheça algumas dessas iniciativas aqui.“O objetivo é sempre promover uma responsabilização consciente dos autores e a busca, de forma conjunta e tendo a vítima como protagonista, de soluções para a reparação dos danos provocados”, explica a procuradora de Justiça Samia Saad Gallotti Bonavides, que coordena o Nupia/MPPR. Sobre os benefícios da utilização destes meios, a procuradora de Justiça pondera: “Na lógica punitivista, não deixa de haver uma violência do Estado contra o cidadão autor da prática delitiva, e é essa violência que a justiça restaurativa busca evitar, promovendo formas alternativas de reconhecimento e reparação do dano causado”, explica.

Nupia

Criado em 2018, por meio da Resolução 7.105/2018, o Nupia apoia as Promotorias de Justiça na construção de uma atuação autocompositiva e restaurativa. “Por meio de atividades de formação, como as que estão sendo realizadas nesta semana, procuramos capacitar os integrantes da instituição no sentido de que eles estejam aptos a identificar as possibilidades de encaminhamento de um caso para atendimento por meio da justiça restaurativa e como se articular com a rede para um tratamento adequado a cada situação”, explica o promotor de Justiça Willian Lira de Souza, que também atua na coordenação do Núcleo.

Programação

Durante toda a semana, a equipe do Nupia está promovendo, de forma on line, o Módulo I de Sensibilização e Introdução aos Processos Circulares e à Justiça Restaurativa para um grupo de promotores, servidores e estagiários. “Este primeiro módulo é o início para quem deseja se desenvolver enquanto fomentador dos processos circulares e da justiça restaurativa no MPPR e na comunidade”, esclarece Wiliam Lira. No próximo ano, serão disponibilizados, além de outras turmas deste módulo, as próximas etapas da formação para os interessados em atuar como facilitadores de círculos de diálogo e restaurativos.

A formação é ministrada, gratuitamente, pela equipe multidisciplinar do próprio Nupia, composta pelos psicólogos Marcelo Rogoski Andrade e Cecília Gagetti, pelo assessor jurídico Mário Fischer e pela assistente social Sandra Mancino, e sua regulamentação está prevista na Portaria 23/2020/ NUPIA.

Asimp/MPPR

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.