Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeiras movimentações no canteiro de obras começaram no dia 7 de agosto de 2019; em apenas um ano, mais de 30% do cronograma estão concluídos. Recursos são da Itaipu Binacional.

Há exatamente um ano, no dia 7 de agosto de 2019, começavam as primeiras movimentações no canteiro de obras da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, entre Foz do Iguaçu (PR) e Presidente Franco (Alto Paraná). O vaivém de homens e máquinas, na cabeceira brasileira da futura ponte, ao lado do Marco das Três Fronteiras, indicava uma mudança definitiva na paisagem da região. “Estamos vivendo um momento histórico: este local onde aqui estamos hoje nunca mais será o mesmo”, afirmou naquela manhã o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna.

De fato, o espaço mudou radicalmente, como previu o general. Apenas um ano após o início da construção, mais de um terço da obra está concluído, tornando-se exemplo de eficiência na aplicação de recursos públicos. O ritmo manteve-se acelerado a despeito dos entraves burocráticos (que são comuns em obras de grande porte, envolvendo dois países), da pandemia de covid-19, que pegou a todos de surpresa, a partir de março, e da forte estiagem, que reduziu o nível do rio Paraná e dificulta o transporte de insumos.

“O aniversário de um ano do início da obra, com avanço de 30% da construção, demonstra o compromisso e a seriedade de transformar promessa em entrega”, afirmou Silva e Luna, nesta semana. O compromisso foi assumido ainda na posse do general, no dia 26 de fevereiro do ano passado, pelos presidentes Jair Bolsonaro (Brasil) e Mario Abdo Benítez (Paraguai). Menos de três meses depois, no dia 10 de maio, os presidentes voltaram à região para o lançamento da pedra fundamental.

O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, durante visita técnica ao canteiro de obras, no início do ano, lembrou que o projeto estava em discussão havia mais de 25 anos e foi tirado do papel em tempo recorde pelo atual governo. Ele estima que o investimento vai abrir mercados e trazer mais riqueza não apenas para a região, mas para o Estado, Brasil e Paraguai. “Somos responsáveis pela gestão dessa obra, que só traz pontos positivos, representando uma equação de ganha-ganha”, declarou.

Também em visita ao canteiro de obras, em fevereiro, o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse que a nova ponte vai facilitar o transporte de cargas e região e fortalecer a relação de Brasil e Paraguai – que são sócios na maior geradora de energia do planeta, a Itaipu Binacional. “Com a concretagem dos blocos, já podemos sentir o coração da obra bater”, comparou.

Transformação

Hoje, já é possível ver os oito pilares da margem brasileira quase prontos (os maiores com 60 metros de altura) e parte das sapatas, estruturas que darão sustentação à nova ponte. Também chegaram ao canteiro de obras as primeiras vigas longarinas, que são estruturas metálicas com 20 metros de comprimento e 60 toneladas. Essas vigas servirão de base para a pista de rolamento.

O movimento no canteiro de obras é intenso, com aproximadamente 450 trabalhadores. A expectativa do consórcio Construbase-Cidade-Paulitec, responsável pela construção, é que em abril de 2021 os trabalhos avancem sobre o rio, conectando ambas as margens. Com o cronograma sendo cumprido à risca, a nova ponte internacional deve ser inaugurada em março de 2022.

A estrutura terá 760 metros de comprimento e vai ser do tipo estaiada, com vão-livre de 470 metros – o maior da América Latina, correspondente a um edifício com 156 andares. Contará com pista de 3,7 metros de largura em cada faixa, acostamento de 3 metros e calçada de 1,70 metro.

Os recursos são da Itaipu Binacional, que está investindo aproximadamente R$ 463 milhões no projeto, considerando a estrutura, as desapropriações e a criação de uma perimetral no lado brasileiro, que vai ligar a nova ponte e a aduana da Argentina à BR-277, caminho para Curitiba e Porto de Paranaguá. A gestão da obra é do governo do Paraná, por meio do Departamento de Estradas de Rodagem (DER).

Longo caminho

O projeto de uma nova ligação entre Brasil e Paraguai, pelo Rio Paraná, é uma antiga reivindicação da região. Mas o caminho até o início da construção foi longo. A primeira vez que Brasil e Paraguai firmaram um acordo para a obra foi em 1992, há 28 anos. De lá para cá, acordos foram assinados, comissões foram criadas, editais publicados, porém, sem resultado efetivo. Uma das maiores dificuldades era viabilizar financeiramente o empreendimento.

Foi apenas no final de 2018 que os governos do Brasil e Paraguai encontraram uma solução, com a Itaipu Binacional assumindo o compromisso de financiar não apenas uma, mas duas pontes internacionais – a outra, em fase de projeto, vai conectar Porto Murtinho, no Mato Grosso do Sul, a Carmelo Peralta, no Paraguai.

Para a Ponte da Integração, um dos objetivos é receber o tráfego de veículos pesados do país vizinho e desafogar a Ponte Internacional da Amizade, construída há 55 anos e que se transformou numa das fronteiras mais movimentadas do mundo. Outro benefício será retirar o movimento de caminhões do centro de Foz do Iguaçu. Além de trazer mais segurança e conforto à população, o investimento tem potencial de gerar benefícios socioeconômicos para a toda a região de fronteira.

No lançamento da obra, o governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou que a nova ponte permitirá uma “mudança considerável na questão logística, na entrada e saída dos países”. “Vem ao encontro do projeto de logística que temos para o Paraná”, reforçou.

O general Silva e Luna afirma que os investimentos estão alinhados às diretrizes do governo federal e deixarão um legado para as futuras gerações. “O governo Bolsonaro tem nos dado todas as condições para que possamos remanejar os recursos sem que isso afete a conta de energia paga pelo consumidor brasileiro”, salientou.

Asimp/ Itaipu Binacional

#JornalUnião

Clique nas fotos para ampliar

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.