Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Já está em vigor no Paraná, após a promulgação pela Assembleia Legislativa do Paraná, a Lei 20.276/2020, de autoria do deputado estadual Evandro Araújo (PSC), que proíbe no Paraná a oferta por instituições financeiras de empréstimos via telefone a aposentados e pensionistas. A prática é uma das campeãs em reclamações nos órgãos de proteção ao consumidor, que, agora com a Lei, passam a ser proibidas de forma imediata.

A nova lei, na prática, proíbe apenas a modalidade conhecida como telemarketing ativo, quando as instituições financeiras e bancárias ligam para os aposentados e pensionistas para oferecerem seus produtos. Já os aposentados e pensionistas que desejarem contratar empréstimos poderão fazê-lo normalmente por outros meios, como por exemplo, o telemarketing receptivo, quando o cliente liga para as instituições e empresas.

De acordo com Araújo, a ideia é combater as abordagens sedutoras e agressivas dessas instituições que desrespeitam o Código do Direito do Consumidor e o Estatuto do Idoso. “Importante esclarecer que a lei não é contra os empréstimos em si, eles continuam. A questão é acabar com o uso excessivo de ligações feitas pelas financeiras, que geralmente levam os idosos a contratarem esses serviços sem a devida informação e isso acaba culminando em reclamações recordes na justiça do consumidor”, explicou o deputado.

Para se ter uma ideia em números, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) recebeu, de 2017 a janeiro de 2019, mais de 150 mil reclamações de aposentados e pensionistas a respeito de irregularidades no crédito consignado ofertado por financeiras. No Paraná, considerando todo o ano de 2019, cerca de 10% de todas as reclamações feitas ao Procon Paraná foram de idosos relativos a serviços de empréstimo consignado e cobranças abusivas.

"Infelizmente, grande parte dessas ofertas, que vinham acontecendo, são realizadas numa linguagem que não favorece o entendimento dos consumidores e com o objetivo de fechar o negócio a qualquer preço. Os aposentados e pensionistas, antes mesmo dos seus benefícios serem liberados, já são alvo de diversas financeiras, algumas delas que adotam uma verdadeira 'tática de guerrilha' para fechar um empréstimo", exemplificou Araújo.

A partir de agora, caso haja descumprimento por parte das empresas, elas estão sujeitas ao pagamento de multa no valor de 200 UPF/PR (Unidade Padrão Fiscal do Paraná), sem prejuízo de também serem consideradas outras práticas qualificadas como abusivas pelos órgãos de defesa do consumidor. Em caso de reincidência, o valor da multa pode chegar a 2.000 UPF/PR. O valor da UPF no mês de agosto é de R$ 106,22.

Adriano Rima/Asimp

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.