Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O Paraná registrou um saldo positivo de emprego em agosto, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na última sexta-feira (23) pelo Ministério do Trabalho. A diferença entre admissões e demissões no mês ficou positiva em 533 vagas, invertendo a sequência de seis meses de saldos negativos no Estado.

O resultado de agosto representa também uma melhora em relação ao mesmo período do ano passado, quando as demissões haviam superado as admissões em 8.194 empregos. O desempenho do Paraná contrasta com o do Brasil, que fechou agosto com a eliminação de 33.953 postos de trabalho. 

“O resultado de agosto no Estado foi puxado, sobretudo, pelos setores de serviços e comércio, o que indica uma melhora no consumo e uma recuperação da atividade no mercado interno no Paraná”, diz Julio Suzuki Júnior, diretor presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico Social (Ipardes).

COMÉRCIO E SERVIÇOS - O setor de serviços liderou a geração de vagas no Estado em agosto, com saldo de 1.102 empregos. O comércio ficou em segundo lugar, com 385 novas vagas, seguido pelos serviços de utilidade pública, com 24, e a extrativa mineral, com 20 vagas. 



A agropecuária, com o fim do período da safra, foi a que mais eliminou vagas em agosto, com saldo negativo de 588 vagas, seguida pela indústria da transformação, com corte de 229 vagas. O setor de administração pública registrou saldo negativo de 151 vagas e a construção civil, de 30 empregos. 

NO ANO - No acumulado do ano, o saldo de emprego ficou negativo em 21.807 vagas, mas a tendência é de melhora nos próximos meses. “Isso deve ocorrer principalmente nas atividades de comércio e serviços, por conta das contratações de fim de ano” diz Suelen Glinski Rodrigues dos Santos, economista do Observatório do Trabalho, da Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos. 



SUBSETORES - Um outro dado que chama atenção, de acordo com a economista, é a melhora na geração de vagas de alguns subsetores da indústria da transformação. Dos 12 segmentos pesquisados, sete tiveram saldos positivos, com destaque para a indústria têxtil, do vestuário e artefatos de tecidos (848) e indústria química, de produtos farmacêuticos, veterinários e perfumaria (606). “Apesar do saldo negativo geral, é da indústria da transformação a atividade que, isoladamente, mais gerou vagas no Estado”, lembra Suelen. A atividade de confecção de peças de vestuário registrou um saldo de 777 empregos em agosto. 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios