Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Crescimento nas vendas de soja, produtos mecânicos e papel e celulose contribuíram para manter o equilíbrio na atividade de comércio exterior este ano

 Mesmo diante da crise internacional gerada pela pandemia do novo coronavírus este ano, o Paraná manteve as exportações em ritmo de crescimento. De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – Mdic, ligado ao Ministério da Economia, embora num ritmo mais lento, o valor das exportações paranaenses, de janeiro a maio, fecharam em US$ 6,5 bilhões, crescimento de quase 1% em relação ao mesmo período de 2019. Já as importações somaram US$ 4,4 bilhões, com redução de 14% na comparação com o ano passado.

Com isso, o saldo da balança comercial do Paraná fechou os cinco primeiros meses deste ano com saldo positivo de US$ 2,1 bilhões, valor 50% maior que o registrado de janeiro a maio do ano anterior, que foi de US$ 1,4 bilhão. “O que explica a alta significativa no saldo da balança não é o aumento das exportações, mas a queda acentuada nas importações. É preciso ter cautela na avaliação”, alerta o economista da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Evânio Felippe.

Segundo ele, dois fatores explicam a forte redução nas importações este ano. A começar com os primeiros sinais da pandemia na China e na União Europeia, afetando a atividade comercial em todo o mundo.

Uma vez instalada a crise causada pelo coronavírus houve a dificuldade de encontrar matéria-prima. Quem tinha estoque de insumos para produção, optaram por reduzir a importação devido à pouca garantia de venda dos produtos. A burocracia, o desembaraço aduaneiro e a liberação de produtos em portos e aeroportos também ficaram extremamente prejudicados com o fechamento dos países.

E a segunda explicação destacada pelo economista para a diminuição das importações foi a grande oscilação do dólar no Brasil. A moeda americana depreciou 37% de janeiro a maio, passando de R$ 4,15 em janeiro para R$ 5,64 em maio. “Ficou mais caro importar bens e serviços porque a variação do câmbio é um impeditivo que pesa para as empresas. Como não conseguem repassar todo o custo de importação adiante, elas tendem a reduzir o faturamento dos seus produtos”, avalia.

 “Com a instalação da crise também no Brasil, a partir da metade de março, o consumo interno também redução imediata e a estratégia das empresas foi de segurar os gastos e utilizar o que tinham de matéria-prima em estoque, sem fazer novas aquisições, para não correrem o risco de ficar com mercadoria parada e com orçamento em desequilíbrio”, analisa Felippe.

Mesmo com crescimento modesto, a alta nas exportações é um bom sinal, garante o economista. “Considerando o momento da economia mundial, ter saldo positivo na atividade de comércio exterior é um fator importante. Mostra que a diversificação da pauta de produtos exportados pelo Paraná faz a diferença e mostra que, mesmo diante de um cenário de dificuldade, o estado tem potencial para superar a crise nos próximos meses, quando tudo retomar a normalidade”, afirma.

O aumento expressivo de 24% nas exportações de soja (US$ 2,6 bilhões) e de produtos mecânicos (US$ 263 milhões), e de 13,4% de papel e celulose (US$ 253 milhões) foram determinantes para a manutenção do equilíbrio nas exportações do Paraná. Já o que causou maior impacto nas importações foi a queda de 51% na compra de material de transportes, ligadas ao setor automotivo, de 13% em produtos químicos, e de 4,4% de petróleo.

Desde o início e sua gestão, o presidente do Sistema Fiep, Carlos Valter Martins Pedro tem reforçado a importância do comércio internacional e de ampliar o acesso a novos mercados para fomentar negócios, desenvolver as indústrias e aumentar a competitividade do estado no mercado externo. E, neste sentido, o gerente executivo de Relações Institucionais e Assuntos Internacionais da Fiep, Reinaldo Tockus, avalia que o resultado acumulado da atividade de comércio exterior mostra, mais uma vez, que a indústria paranaense segue caminhando, devido à firmeza de suas bases nos mercados internos e externos. “Apesar dos números do comércio internacional terem desabado nos últimos meses em razão da Pandemia, e dos estudos da ONU apontarem para mais uma redução de 27% no 2º semestre, o Paraná consegue, ainda, manter-se em situação favorável, frente aos demais estados exportadores.”, conclui.

Asimp/Fiep

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.