Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Saldo total entre janeiro e março de 2021 é de mais de 51 mil vagas geradas pelas MPEs

O Paraná teve, durante o mês de março, um saldo positivo de 8.328 novas vagas nos pequenos negócios, o que corresponde a 72,37% do total de empregos gerados entre empresas de todos os portes (11.507 no total). A média é de 5,86 vagas a cada 1000 empregados. O Paraná é o quinto estado brasileiro que mais gerou postos de trabalho em março para micro e pequenas empresas (MPE). Mesmo no pior momento da pandemia do coronavírus no Brasil, o saldo foi maior em comparação com cada um dos cinco primeiros meses da doença no País (entre março e julho).  Os dados constam em levantamento feito pelo Sebrae com base no Caged, do Ministério da Economia.

A indústria de transformação foi o segmento que mais puxou a abertura de empregos nos pequenos negócios, com 3.302 novas vagas seguido pelo setor de serviços, com 2.404, construção com 1.167 e comércio com 1.040. Nos serviços, apenas os micro e pequenos negócios tiveram um saldo positivo de contratações, enquanto as médias e grandes tiveram uma redução de 1.634 vagas.

Em relação ao saldo total dos meses entre os meses de janeiro e março, as MPE também se destacaram. Em 2021, os pequenos negócios geraram 51.022 novas vagas, o que corresponde a 65% do total considerando empresas de todos os portes, que foi de 78.484. Mesmo com a pandemia atingindo o seu ápice no primeiro trimestre de 2021, o número é quase três vezes maior em comparação com o mesmo período de 2020, quando 17.087 novas vagas haviam sido criadas.

 “Mesmo com o agravamento da pandemia em março, as micro e pequenas empresas seguem com as maiores geradoras de postos de trabalho no Estado e continuam se reinventando para superar o momento difícil. A força desses empreendedores fez com que o número de vagas geradas nesse primeiro trimestre fosse ainda maior em relação ao mesmo período do ano passado”, destaca Vitor Roberto Tioqueta, diretor-superintendente do Sebrae/PR.

No acumulado do ano para as MPE, o setor de serviços lidera as contratações com 16.997 novos postos de trabalho, seguido pela indústria da transformação com 16.015, comércio com 10.663 e construção com 5.967.

Brasil

Em março de 2021, as micro e pequenas empresas (MPE) foram responsáveis pela geração de 57,9% dos empregos com carteira assinada no Brasil, o que corresponde a quase 107 mil vagas. O resultado é superior aos postos de trabalho criados pelas empresas de médio e grande porte (MGE), que foi pouco mais de 67 mil.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, destaca que os números positivos vêm ocorrendo pelo nono mês consecutivo e que refletem que as MPE são essenciais para a retomada econômica brasileira. “Esse é o 9°mês que as micro e pequenas empresas puxam a geração de empregos formais no Brasil. Não há dúvida que elas são o motor da nossa economia. Mesmo diante da sobrevida da pandemia, os resultados positivos sinalizam o quanto é importante a continuidade de medidas emergenciais que amparem o segmento”, declarou o presidente do Sebrae.

No acumulado do ano, dos cerca de 837 mil empregos gerados no primeiro trimestre, 587 mil (70,1%) foram criados pelas micro e pequenas empresas, enquanto as médias e grandes empresas criaram 190 mil (22,7%). Quando se observa o saldo mensal médio, as MPE atingiram patamar superior a 195 mil novos postos de trabalho, enquanto as MGE tiveram um número aproximado de 63 mil. Isso significa dizer que a cada novo posto de trabalho gerado por uma média e grande empresa, os micro e pequenos empreendimentos geram outros 3 novos postos de trabalho.

Asimp/Sebrae/PR

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.