Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) agradeceu, ontem (07), aos parlamentares que aperfeiçoaram o projeto de lei que propõe a criação do Programa Estadual de Incentivo à Utilização da Musicoterapia como Tratamento Terapêutico Complementar de Pessoas com Deficiência, Síndromes e TEA (Transtorno do Espectro Autista). A proposta 577/2020 é de autoria Romanelli.

O texto aprovado no plenário da Assembleia Legislativa, em segunda discussão, é um substitutivo geral apresentado por Romanelli em companhia do deputado Hussein Bakri (PSD) e que teve 48 votos favoráveis.

Romanelli afirmou que a proposição da nova legislação ocorreu por orientação de profissionais que atuam no tratamento de pessoas com déficit intelectual e cognitivo. Ele pontuou a contribuição da médica Gisele Amin, de Cornélio Procópio, na elaboração da lei para estimular a criação de um programa estadual que valorize musicoterapia.

Ao propor o programa, Romanelli sustenta que há evidências científicas sobre a eficácia da musicoterapia para tratar diversos transtornos e síndromes, especialmente o autismo, doenças mentais, AVC (acidente vascular cerebral) ou outras lesões encefálicas, além de hipertensos, pessoas com mal de Alzheimer ou outras demências.

Legislação

O deputado também ressalta que a UBAM (União Brasileira das Associações de Musicoterapia) faz um movimento nacional em favor da valorização do tratamento. “Agora o Paraná se soma a outros estados que também criaram legislação específica para a aplicação desta terapia”, afirmou.

Autismo

A musicoterapia, explica o deputado, é um grande estímulo aos autistas. “O transtorno do espectro autista é tratado com excelentes resultados práticos por meio da musicoterapia. É inegável que a música amplia o potencial de interação do ser humano com resultados efetivos e importante procedimento terapêutico”, afirma.

De acordo com Romanelli, o tratamento não trabalha com as limitações da pessoa, mas sempre com a capacidade de cada um. “Daí a importância do uso desta técnica para melhorar a qualidade de vida dos autistas”, informa. “Por meio da mistura de ritmos e melodias, o cérebro humano é estimulado pela música e pelos seus elementos”.

ALEP

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.