Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Econorte quer prestar serviços de graça, por um ano, sem cobrança de pedágio, para cobrir custos de um viaduto que não realizou. Mas ainda assim, sairia devendo R$731 milhões.

Os contratos de pedágio vencem no próximo dia 27 de novembro e, mesmo com a garantia do Governo de que não serão renovados, há um impasse que precisa ser resolvido no Paraná. Trata-se de uma série de obras que não foram realizadas pelas concessionárias, ao longo de 25 anos, que juntas somam quase 10 bilhões de reais. Porém, mesmo sem o anúncio oficial do governador de como será cobrado esse débito, alguns acordos já começam a aparecer.

Na última semana, a Econorte já teria anunciado um acordo com a Secretaria de Infraestrutura e Logística do Paraná, para continuar prestando atendimento, por mais um ano, com serviços de guincho e ambulâncias, em 342,47 quilômetros de rodovias do Norte do Estado, sem a cobrança de pedágio. Em troca, a concessionária deixaria de executar um projeto antigo, que previa a construção de um viaduto na entrada do município de Jacarezinho, com valor estimado em R$14 milhões.

Mas a dívida da concessionária é ainda maior. Segundo levantamento realizado pela Agepar e divulgado no início deste ano, ao longo do período de vigência do contrato, a Econorte teria arrecadado mais de R$4,2 bilhões nas rodovias da região Norte. Desse montante, quase R$745 milhões a mais, referente a obras que nunca foram feitas. Uma delas, o viaduto no trevo da Rodovia Transbrasiliana com a Rua Fernando Botareli, em Jacarezinho.

Diante dessa diferença de valores, o deputado estadual Requião Filho encaminhou ofício ao Secretário Sandro Alex e protocolou pedido oficial via Lei de Acesso a Informações, para esclarecer esse acordo que ainda deve deixar um débito de R$731 milhões ao Estado do Paraná.

“Queremos saber quais os critérios adotados pelo Estado para firmar esse acordo, que apenas favorece a concessionária. Queremos ter acesso a cópia desses documentos que fundamentaram a validação desse agrado ou como será feito o pagamento do restante dos valores”, justificou Requião Filho, que aguarda resposta em até 30 dias.

Durante a sessão plenária ontem (08), o deputado falou sobre o assunto na Assembleia Legislativa. Assista: https://youtu.be/sVbOMzWcmHk

Asimp/Deputado Estadual Requião Filho (MDB - Paraná)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.