Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Pedido foi encaminhado ao Governo Estadual e buscar proteger os empresários locais e manter empregos.

Preocupado com a situação financeira de empresários paranaenses que estão passando por sérias dificuldades econômicas, o Deputado Estadual Requião Filho encaminhou na segunda-feira (12) um novo pedido ao Governador Ratinho Jr para que conceda parcelamento de fato viável, sem nenhum implemento de condições, para quem tem débitos de ICMS, o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços.

Na proposta, o parlamentar requer que as empresas possam incorporar o saldo devedor do imposto vencido, no Termo de Acordo e Parcelamento, com prazo de 60 meses para o pagamento dos atrasados, e não tão somente 90 dias como condição para o Refis. Além disso, Requião Filho também requer que o governo reduza juros e multas aplicados ao empresariado.

“Tendo em vista o prolongamento do estado de pandemia, precisamos encontrar maneiras efetivas de ajudar na retomada da economia, assegurando por exemplo, a capacidade de pagamento dos encargos fiscais do ICMS”, justificou o deputado.

Para o Parlamentar o parcelamento a longo prazo para pagamento do ICMS em atraso é uma medida justa e razoável a ser adotada neste momento, visto que o pacote de ajuda às empresas apresentado pelo Executivo na semana passada é bastante tímido e impõe pagamento do imposto em no máximo 90 dias como condição para qualquer benefício tributário.

 “Ampliar esse privilégio fiscal protege não só os empreendedores paranaenses, mas a saúde da população, pois uma empresa não se recupera em apenas 3 meses e muitos postos de trabalho podem ser mantidos com essa atitude. Menos impostos, mais empregos. Esta é a bandeira que sempre defenderei”.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.