Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O governador Beto Richa recebeu na sexta-feira (22), no Palácio Iguaçu, o vice-presidente da China Merchants Ports, Vicenti Lu, e a diretora de desenvolvimento Natalie Wan. O grupo chinês é o maior operador de portos do mundo, com presença em 16 países, e comprou 90% do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) por R$ 2,9 bilhões.
 

“O investimento desse grupo é um dos resultados do avanço e do aumento da capacidade operacional do Porto de Paranaguá, fruto de fortes investimentos públicos e privados realizados de 2011 para cá”, afirmou o governador. Em sete anos, o Estado investiu R$ 900 milhões em melhorias na estrutura do porto e a iniciativa privada mais de R$ 1,2 bilhão.
 

“O planejamento que temos feito ao longo dos últimos sete anos vão garantir a permanência do porto como referência nacional em eficiência, planejamento e resultados”, afirmou Richa. “Estamos dispostos a trabalhar juntos para aumentar a eficiência do Porto de Paranaguá, que já é um dos melhores do Brasil”, completou Vicenti Lu.
 

O governador destacou ações realizadas com recursos públicos, entre elas as três operações de dragagem, para aumentar a capacidade de movimentação e atracação de grandes navios, compra de novos equipamentos para carregamento, reforma e ampliação do cais. “O grupo chinês tem muita experiência, o que certamente contribuirá para atração de mais investimentos para o Porto de Paranaguá”, disse Richa.
 

Participaram do encontro o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, e o diretor-presidente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), Luiz Henrique Dividino, além de dois executivos do terminal portuário, Luiz Antonio Rodrigues Alves e Juarez Moraes e Silva.
 

O contrato de venda do TCP, que já era gerido por capital privado, foi celebrado no dia 4 de setembro, em Xiamen, na China. Os três sócios brasileiros permanecerão na operação, com 10% de participação (Grupo Soifer, Tucumann e Pattac). O grupo chinês prevê de movimentar, somente neste ano, 100 milhões de contêineres - o Brasil opera em média 9 milhões de contêineres anualmente.
 

América Latina

O vice-presidente da China Merchants Ports, Vicent Lu, explicou que o TCP é o primeiro investimento do grupo na América Latina e segue o propósito de tornar a empresa líder global nos segmentos onde atua, gerando oportunidades de negócios no mundo todo.
 

O executivo informou, também, que o grupo tem intenção de expandir a atuação no Paraná para suas demais áreas de negócio: transporte, finanças e imóveis. “O princípio do grupo é investir nos portos, nos parques indústrias e nas cidades onde está operando”, afirmou.
 

Impacto

O secretário José Richa Filho comentou que o grupo pretende fazer do Porto de Paranaguá porta de entrada no Brasil e na América Latina. “O impacto da entrada desse importante grupo chinês no Paraná é muito grande. Vislumbro boas oportunidades de investimento para o Estado”, afirmou.
 

“A relação institucional da Appa com o TCP não terá mudanças, mas o grupo está presente no mundo inteiro e coloca Paranaguá no grupo focal dos maiores conglomerados do mundo”, disse o diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.
 

Grupo

O grupo China Merchants Ports, fundado em 1872, é o primeiro conglomerado comercial da China. Está entre as quatro grandes empresas estatais de Hong Kong, com um patrimônio de US$ 1 trilhão. A receita total do Grupo em 2016 foi de US$ 73 bilhões e o lucro de US$ 16 bilhões.
 

O grupo China Merchants é líder em transporte marítimo, em serviços portuários, indústria naval, serviços financeiros, desenvolvimento financeiro de zonas urbanas, concessão de rodovias e serviços logísticos.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios