Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

 “Apresentei diversos requerimentos solicitando rigor no caso por parte do poder público. O resultado está aí: o Superior Tribunal de Justiça (STJ) não reconheceu um recurso apresentado pelos advogados de defesa de Ricardo Seidi, pai da menina Eduarda Shigematsu, e confirmou a decisão de pronúncia que submeteu Ricardo Seidi e a avó, Terezinha de Jesus Guinaia, a julgamento pelo Tribunal do Júri. Um crime bárbaro que chocou Rolândia, o Paraná e o Brasil! Foi no dia 28 de abril de 2019 que o corpo de Eduarda Shigematsu, de 11 anos, foi encontrado enterrado nos fundos da casa da família”, lamentou o deputado estadual Cobra Repórter (PSD), que é o presidente da Comissão de Defesa da Criança, Adolescente, Idoso e da Pessoa com Deficiência (Criai) na Assembleia Legislativa do Paraná.

Na decisão, o ministro Humberto Martins, do STJ, afirma que “o recurso é manifestamente intempestivo, porquanto interposto fora do prazo de 15 dias corridos”. Com a decisão, o processo retornou para Rolândia. Os advogados devem apresentar agora as testemunhas que irão depor. A data do julgamento ainda não foi marcada.

O deputado Cobra Repórter, desde o início, acompanhou o caso de perto. Ele lembra, inclusive, que organizou uma passeata no entorno da Igreja Matriz cobrando justiça! “Eu, como pai, fico revoltado toda a vez que me recordo do que aconteceu com essa criança”, lamentou o deputado Cobra Repórter.

O Caso

Eduarda estava desaparecida desde o dia 24 de abril de 2019, depois de chegar do Colégio Estadual Presidente Kennedy, em Rolândia, onde estudava. O sumiço da garota foi apurado pelo Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride) da Polícia Civil.

Com base nas investigações, a polícia acabou prendendo o pai da menina, Ricardo Seidi, que confessou a ocultação de cadáver, mas não o homicídio. Em seu depoimento, Seidi disse que encontrou a filha enforcada , que ela “teria tirado a própria vida” e ele, no desespero, enterrou o corpo. Ricardo Seidi continua preso esperando o julgamento. Só que um exame do Instituto Médico Legal (IML) apontou que a menina morreu esganada.

A avó de Eduarda, Terezinha de Jesus Guinaia, mãe de Ricardo, prestou depoimento na época e chegou a ser presa. O delegado de Rolândia afirmou que a avó negou envolvimento no caso. Terezinha foi colocada em liberdade. Ela é ré no processo e também vai a júri popular por falsidade ideológica e ocultação de cadáver.

Meire Bicudo e Veruska Barison/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.