Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em reunião no Palácio Iguaçu o deputado Tiago Amaral, vice-líder do governo, defendeu que o Governo assuma duas reivindicações importantes para os policiais militares: a cobrança de alíquota dos inativos acima dos 3 salários mínimos - hoje não há faixa de isenção – e isenção total para os inativos com moléstias graves. Um policial militar que se aposentou e recebe R$ 3.590 reais atualmente, tem descontado cerca de R$ 340 reais.

A cobrança da alíquota somente a partir de 3 salários mínimos é justiça social, garante Tiago Amaral.

“Não faz sentido todos os demais servidores civis do estado terem isenção de até 3 salários mínimos na aposentadoria e os policiais militares ficarem de fora. O Governo tem que garantir esses direitos aos policiais militares”, afirmou Tiago Amaral.

Tiago Amaral quer ampliar para os policiais militares o que conseguiu no ano passado, durante a discussão da reforma da previdência pelos deputados estaduais: garantir a cobrança da alíquota a partir dos 3 salários mínimos para os servidores civis. O Governo Federal aprovou a cobrança a partir de 1 salário mínimo. No Paraná, Tiago Amaral foi relator e aumentou de 1 para 3 salários mínimos, beneficiando cerca de 30 mil servidores que ganham cerca de R$ 3 mil reais. 

As duas reivindicações precisam ser discutidas e aprovadas pela Assembleia Legislativa para começarem a valer.

No mesmo dia, no Palácio Iguaçu, o deputado Tiago Amaral participou de outra reunião que garante aos policiais civis, agentes penitenciários e polícia científica, que ingressaram na carreira após 2003, o direito a se aposentar com o valor igual ao último salário da ativa. 

Reivindicação que vem sendo negociada há meses e agora a paridade e integralidade dos servidores das forças de segurança pública foi enviada na forma de proposta pelo Governador Ratinho Junior à Assembleia Legislativa do Paraná.

Para os que optarem pela regra de transição, a contrapartida será a permanência por cinco anos a mais na ativa sem o recebimento do abono de permanência. Já os servidores que não quiserem cumprir cinco anos a mais na carreira poderão fazer a opção pela aposentadoria sem paridade e integralidade. Dessa maneira, o cálculo do benefício utilizará a média aritmética simples das remunerações.

“A integralidade e a paridade dos policiais e bombeiros militares foram asseguradas pela reforma da previdência das forças armadas, aprovadas pelo Congresso Nacional e replicada no Estado em 2019, mas faltava garantir o mesmo direito aos servidores da Policia Civil, do Departamento Penitenciário e da Polícia Científica que ingressaram nos quadros do Estado após 2003”, afirmou Tiago Amaral, vice-líder do Governo.

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.