Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O deputado estadual Michele Caputo (PSDB) visitou na terça-feira (6) o Setor de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), responsável pela pesquisa e desenvolvimento da vacina contra a Covid-19. O imunizante começou a ser desenvolvido em junho de 2020 e atualmente está na fase dos testes pré-clínicos.

Caputo realizou a visita como coordenador da Frente Parlamentar do Coronavírus da Assembleia Legislativa do Paraná. “Uma pesquisa que busca desenvolver uma vacina com tecnologia 100% nacional e baixo custo de produção precisa ser valorizada. A próxima etapa exige novos investimentos e parcerias. Por isso, tentaremos viabilizar parte desses recursos via Assembleia”, afirmou.

Os testes pré-clínicos, realizados apenas em animais, estão apresentando resultados animadores. Testes em camundongos revelaram que, após duas doses da vacina, a quantidade de anticorpos produzidos alcançou concentração maior que a da parceria AstraZeneca/Oxford. A previsão de conclusão dessa fase é para o início do próximo ano e, então, será possível solicitar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para testes em humanos.

Recursos

Para a finalização da fase atual, o grupo já conseguiu R$ 230 mil do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e R$ 995 mil do Governo do Estado, por meio da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). No entanto, ainda são necessários R$ 500 mil para fazer os ensaios toxicológicos, essenciais para finalizar os estudos pré-clínicos.

Para os testes clínicos (fases 1, 2 e 3), em animais, serão mais R$ 10 milhões de emenda da bancada federal. A previsão é que essa fase seja iniciada apenas em meados de 2022.

Multifuncional

De acordo com o professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular da UFPR Emanuel Maltempi de Souza, será uma vacina 100% paranaense, com insumos nacionais e desenvolvida integralmente no Estado, com tecnologia feita na própria Universidade. Outro ponto positivo é o custo de produção: segundo os pesquisadores, hoje são gastos menos de cinco reais para fabricar cada dose.

Além disso, o imunizante tem características multifuncionais. Isto quer dizer que pode ser recombinada para servir como imunizante para outras doenças, como dengue, zika vírus, leishmaniose e chikungunya. “Mais que uma vacina contra a Covid-19, possivelmente teremos uma nova plataforma tecnológica para a saúde, com diversas outras aplicações”, afirmou o professor.

O objetivo, futuramente, é desenvolver uma vacina e depois contar com parceiros para a parte de produção em larga escala.

Presenças

 Na ocasião, o deputado Caputo também visitou o laboratório onde é feito o sequenciamento genético da Covid-19 e o laboratório onde está sendo desenvolvido um novo teste rápido de sorologia da doença, também numa plataforma bem mais barata.

Estavam presentes a vice-reitora da UFPR, Graciela Bolzon de Muniz; o professor do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, Marcelo Müller dos Santos; e o professor do Departamento de Patologia Básica, Breno Beirão.

As informações levantadas na visita técnica integraram o relatório da Frente Parlamentar do Coronavírus, que recentemente completou um ano de trabalho.

ALEP

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.