Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Alunos que estudam com um professor que está entre os 20% melhores, durante um ano, podem aprender 68% a mais do que aqueles que frequentam aulas de docentes que estão entre os 20% piores. Esse é um dos resultados do estudo “Caminhos para Melhorar o Aprendizado”, fruto de uma parceria entre a Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE), o Instituto Ayrton Senna e o movimento Todos pela Educação. A pesquisa, que visa subsidiar a elaboração de políticas públicas voltadas à promoção do aprendizado em escolas e sistemas educacionais brasileiros, foi apresentada, na última semana, ao ministro da Educação, Fernando Haddad, pelo secretário de ações estratégicas da SAE, Ricardo Paes de Barros.

O trabalho, que reúne estudos nacionais e internacionais, demonstra que a qualidade dos professores e o ambiente escolar influenciam diretamente na formação dos estudantes. Por exemplo, em aulas com professores que possuem ao menos dois anos de experiência, o aprendizado tende ser 30% maior, do que se a aula fosse ministrada por professores sem nenhuma experiência. Além disso, estima-se que os alunos matriculados nas melhores escolas públicas aprendam durante um ano letivo duas vezes mais do que se estivessem matriculados nas piores escolas.

Também é possível perceber que há evidências científicas de que a redução do tamanho da turma tem impacto profundo na proficiência dos alunos. Uma turma com 15 alunos tem um aprendizado 44% maior do que se estivesse em uma sala com 22 alunos. A duração da aula é outro fator fundamental para a absorção do conhecimento. O estudo mostra que aulas com mais de 50 minutos tornam-se pouco eficazes e, por isso, a ampliação da jornada diária deve ser feita por meio do aumento no número de aulas e não da duração daquelas já existentes. Alunos que estudam em escolas com um número de dias efetivos de aula maior também demonstram um melhor índice de aprendizado.

Com a iniciativa, o objetivo foi disponibilizar um vasto material acadêmico que mede o impacto de diversas variáveis que estão sob o controle das escolas e das secretarias de educação sobre o aprendizado no país, para orientar o desenvolvimento de ações e investimentos na melhoria da educação. Foram selecionados apenas os estudos que contavam com uma amostra de pelo menos duas mil pessoas ou 100 escolas e sistemas educacionais. Todas as pesquisas estão disponíveis no site http://www.paramelhoraroaprendizado.org.br/

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios