Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Preconceito e falta de divulgação também atrapalham o programa da Universidade Aberta do Brasil.

Um dos maiores problemas do ensino à distância (Ead) é a banda larga. É o que acha o professor João Carlos Teatini, diretor de Educação à Distância da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior (DED/Capes). Teatini e a professora Luisa Furlan Costa, diretora do Núcleo de Educação à Distância e Coordenadora do Programa Universidade Aberta do Brasil, palestraram em Brasília para a Frente Parlamentar em Defesa da Educação do Congresso Nacional, onde discutiram “As Ações da Educação à Distância no Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB)”.

O professor Teatini apontou os objetivos da Universidade Aberta. “Ampliar o acesso à educação superior pública, em especial nas regiões remotas do Brasil; induzir e fomentar a educação a distância nas instituições públicas de ensino superior, promover a pesquisa e produção de inovações e a formação inicial e continuada de professores da educação básica”, destacou.

Atualmente a Universidade Aberta conta com 778 polos de apoio presencial ativos com bibliotecas, salas de tutoria, laboratórios de informática, internet, tutoria à distância e laboratórios didáticos. São mais de 42 mil alunos. A meta para 2014 é de mil polos e 600 mil alunos.

No entanto, o professor Teatini alerta que o principal gargalo do Ead é qualidade ruim da internet banda larga nos municípios, o que dificulta o trabalho nos polos presenciais. O professor afirma também que é necessário divulgar melhor a modalidade de ensino.

“Temos que divulgar mais a Universidade Aberta do Brasil e superar o preconceito que ainda existe no ensino à distância. É preciso que levemos esse debate para os municípios e estados”, salientou.

Na avaliação do presidente da Frente Parlamentar da Educação, deputado Alex Canziani (PTB-PR), a educação à distância democratiza o ensino. “É uma grande iniciativa e a oportunidade para jovens e trabalhadores que não podem frequentar a universidade normal.”

Segundo o deputado da educação, a Universidade Aberta do Brasil está dando certo e vai melhorar cada vez mais. “O número de alunos no ensino à distância vem crescendo a cada ano. É, sem dúvida, mais um caminho importante”, destacou o deputado da educação.

A Frente Parlamentar da Educação realizou nove palestras este ano para discutir os desafios do país por uma educação de qualidade. O ciclo de palestras sobre educação vai continuar no próximo ano.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios