Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras se reúne hoje, às 14h30, para enfrentar uma pauta com 392 requerimentos que aguardam votação. Entre eles, o que pede averiguação nos cartórios do estado do Rio de Janeiro sobre a situação de imóveis da presidente da Petrobras, Graça Foster, e do ex-diretor da área internacional da estatal Nestor Cerveró.

Segundo o jornal O Globo, eles teriam doado imóveis a parentes após a divulgação de irregularidades na compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O Tribunal de Contas da União (TCU) ainda não decidiu se vai bloquear os bens de Graça Foster. No último dia 27, a maioria dos ministros votou pelo não bloqueio dos bens, mas o julgamento foi interrompido.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR), autor do requerimento para investigação sobre os imóveis, disse que, se a denúncia se confirmar, fica configurada uma fraude contra uma decisão do TCU. O tribunal aprovou em 23 de julho relatório do ministro José Jorge determinando que o ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, e 11 diretores e ex-diretores da estatal devolvam aos cofres da petrolífera 580,4 milhões de dólares por prejuízos na compra de Pasadena. O processo do TCU, porém, não cita Graça Foster entre os responsabilizados.

Convocações
Outro requerimento que deve provocar debate, também apresentado por Rubens Bueno, postula a convocação de Enivaldo Quadrado. Ele é apontado como um possível elo entre o esquema do doleiro Alberto Youssef e pessoas envolvidas no mensalão.

A CPMI da Petrobras também pode aprovar a convocação de Meire Poza, contadora de Youssef, objeto de três requerimentos.

Alberto Youssef está preso desde março. Ele é acusado de ser o comandante de um esquema de lavagem de dinheiro que teria movimentado R$ 10 bilhões. A Polícia Federal apura se o esquema envolvia diretores da Petrobras, como Paulo Roberto Costa, também preso.

Na última audiência da CPMI, no dia 20, foram ouvidos o gerente jurídico internacional da empresa, Carlos Cesar Borromeu de Andrade, e o gerente de Segurança Empresarial, Pedro Aramis de Lima Arruda.

(Agência Câmara de Notícias - *Com informações da Agência Senado)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios