Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.


O deputado estadual Antonio Carlos Belinati, apresentou na Assembleia Legislativa, o projeto Banco de Perucas (Projeto de Lei nº 415/2013).

Henrique Reis/JU

Esse projeto torna obrigatório o fornecimento gratuito de Perucas para as mulheres de baixa renda que estejam em tratamento do Câncer. Aproveitando o mês de outubro, mês considerado internacionalmente de combate ao câncer de mama e de colo do útero, que são os dois principais que acometem as mulheres, Belinati aproveitou a oportunidade, para justamente levantar essa discussão da importância do tratamento auxiliar do câncer. Esse projeto está em analise na Comissão de Constituição e Justiça.

Ele acredita que o fato da perca dos cabelos em função do tratamento contra o câncer, abala o emocional de qualquer mulher. “Um fator muito importante que diz respeito ao tratamento e a melhora dos pacientes que é a questão da autoestima e um dos fatores que prejudica muito as mulheres é o fato de perder dos cabelos”, diz.

Sendo assim, as perucas podem ajudar e muito a levantar a autoconfiança das mulheres. Mas nem todas possuem condições de pagar esse acessório, com isso esse banco ajudaria as pessoas de baixa renda. “Nosso foco principal são as mulheres de baixa renda que infelizmente não tem condições de comprar com seu próprio recurso. Algumas deixam seu emprego durante o período de tratamento, prejudicando sensivelmente o seu orçamento e muitas delas não conseguem o dinheiro pra comprar uma peruca.”

Ele explica também, por que um banco de perucas. “Eu já recebi depoimentos de mulheres que fizeram opção até por usar um chapéu ou lenço, mas muitas vezes quando chegavam num local publico elas eram questionadas sobre a doença e isso gera um desgaste emocional, e pode prejudicar a esperança de recuperação do tratamento durante esse período. Com base nisso, identificamos que é um acessório importante, principalmente para as mulheres. Foi assim que surgiu esse projeto do estado criar um banco de perucas para oferecer gratuitamente pra essas mulheres esse apoio no seu tratamento.”

Outros projetos.

Belinati, contou ainda sobre mais alguns projetos que está desenvolvendo na Assembleia. Um deles é sobre a Inclusão da Disciplina de musicalização na Grade Curricular do Estado do Paraná. Ele explica como funciona essa ideia. “Existe uma lei federal que estabelece a obrigatoriedade do ensino da musica, mas não há uma especificação com relação a exclusividade de uma disciplina para lecionar musica. Um estudo que foi desenvolvido em uma universidade nos, aponta que as crianças que estudam música na escola, na fase da sua formação escolar, são formadas com a personalidade de muito mais expressão,se desenvolvem com mais facilidade e são alunos com notas maiores inclusive no período escolar.”

Com base nessa pesquisa, foi desenvolvido esse projeto que além de melhor desenvolver o estudo da criança, vai também abrir um mercado no mundo da música. “Através dessa obrigatoriedade, vamos promover ainda mais a cultura das nossas crianças ajudando nesse processo de formação e com isso abrir esse mercado extremamente promissor para os profissionais da musica compartilharem as suas experiências com esses jovens e crianças que ainda estão nesse processo de formação educacional.”

Outra ideia apresentada é a construção do Hospital da Zona Oeste de Londrina. “Temos um projeto importante que há muitos anos é um anseio da população, que é o hospital da zona oeste. Nos primeiros dias que eu assumi o mandato na assembleia legislativa, eu já encaminhei para o secretario da saúde a preocupação dos moradores pra ter um grande centro de referência hospitalar na região e positivamente o secretario respondeu que esta empenhando já pra recurso para o ano que vem pra que seja efetivamente construído esse estabelecimento.”

Para a construção desse hospital, o deputado explica que o estado não faz nada sozinho. A Prefeitura de Londrina também tem que colaborar fazendo a indicação do terreno apropriado para essa construção. “É evidente que o estado não faz nada sozinho, depende também da Prefeitura de Londrina principalmente com relação a disponibilização do terreno. Eu entendo que construção vai ser de fundamental importância. Porque existe uma necessidade muito grande de crianças, jovens, pessoas de idade que estão a muito tempo aguardando por uma consulta e tem que esperar um longo tempo”, conclui.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios


Notice: Undefined variable: usuario_tk in /var/www/vhosts/jornaluniao.com.br/httpdocs/widget_footer.php on line 245
NULL