Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Emenda visa disponibilizar o financiamento a todos os estudantes, principalmente aos mais carentes

Meire Bicudo/Asimp/Dep.Fed.Andre Vargas
 
Recentemente a presidenta Dilma Rousseff lançou o Programa Mais Médicos, com o objetivo de criar novas vagas nos cursos de medicina no país, a promoção da presença de médicos em regiões carentes, entre outros.
 
Com a edição da Medida Provisória 621, que trata o assunto no Congresso Nacional, o primeiro-vice-presidente da Câmara dos Deputados, André Vargas (PT-PR), apresentou uma emenda ao texto, para garantir aos aprovados no vestibular de medicina, o ingresso automático ao Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), com o financiamento integral dos encargos educacionais.
 
De acordo com Vargas, a medida garante o acesso ao curso aos alunos de baixa renda, “com esta medida o governo federal poderá oferecer financiamento a todos os estudantes de graduação em medicina, independente das condições econômicas familiares”, explicou.
 
Atualmente os alunos de medicina estão contemplados pelo FIES, contando inclusive com um sistema especial, denominado Fiesmed, que consiste no abatimento mensal de 1% do saldo devedor do aluno graduado, além do período estendido de carência aos estudantes em residência médica.
 
Com a emenda de Vargas, os estudantes que optarem pelo financiamento ficam ainda dispensados da exigência de fiador. “A apresentação de um fiador com condições de garantir o pagamento das onerosas mensalidades do curso de medicina, constitui obstáculo aos estudantes mais pobres”, diz, garantindo que essa medida incentiva o acesso de alunos carentes ao curso de medicina, cujo valor das mensalidades nas universidades particulares são elevados e a exigência de um fiador dificulta o seu ingresso.
 
De acordo com o parlamentar a medida não sobrecarrega financeiramente a União, pois não se trata de bolsa, mas de financiamento. Após graduado, o aluno além de ter a possibilidade de ingressar como profissional no Programa Mais Médicos restituirá aos cofres do governo o valor devidamente investido.
 

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios