Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No momento em que o governo federal atua para esvaziar a CPI da Covid, a assinatura do senador Flávio Arns (Podemos-PR) é um importante reforço. Além de apoiar essa iniciativa, ele ainda subscreveu o pedido apresentado no sábado (10) pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) para que o escopo da CPI seja ampliado para apurar também irregularidades praticadas por estados e municípios.

“A CPI é necessária para investigar as inúmeras denúncias de atos que colocaram o Brasil neste caos que estamos vivendo. São mais de 350 mil mortes, milhões de pessoas contaminadas, desarticulação total e falta de comando, de proatividade, de gestão. O papel do Legislativo também é o de fiscalizar e cobrar atitudes das autoridades responsáveis”, disse Arns.

A leitura do requerimento para a instalação da CPI da Covid está prevista para a sessão desta terça-feira (13), quando o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), deve pedir aos líderes partidários que indiquem os membros da comissão.

De acordo com o requerimento original da CPI, o objetivo da investigação é apurar as ações do governo federal no enfrentamento da pandemia, em especial àquelas relacionadas à crise sanitária no Amazonas, quando o estado passou por um colapso na rede de saúde com falta de insumos e oxigênio para os pacientes internados. Se o pedido de ampliação apresentado por Alessandro Vieira for aprovado, a Comissão investigará também  estados e municípios no que tange à  gestão dos recursos públicos federais destinados a custear as políticas sanitárias.

Em março, Arns já havia assinado outro pedido de CPI apresentado pelo senador Eduardo Girão (Podemos-CE),  para apurar as possíveis irregularidades e desvio de recursos públicos, bem como outras ações ou omissões cometidas por administradores públicos federais, estaduais e municipais.

Greicy Pessoa/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios