Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Professores de todo o país ligados à Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) fizeram ontem (04), uma manifestação em Brasília pela valorização dos trabalhadores do setor e em protesto à proposta dos governadores de redução do piso salarial. O vice-presidente da Câmara, deputado federal André Vargas (PT-PR), participou do ato que ocorreu no próprio Congresso e manifestou seu apoio à categoria e sua luta.

Pela proposta em análise na Câmara, os governadores querem mudar o cálculo do reajuste do piso do magistério, que passaria a ser feito por uma conta que teria como índice o INPC, índice que mede as perdas com a inflação. Atualmente, a lei determina que o piso seja atualizado com base no percentual de crescimento do valor anual mínimo por aluno, que é calculado de acordo com a Lei do Fundeb, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação.
 
Os trabalhadores pedem apoio dos parlamentares na defesa pela valorização profissional. A proposta dos governadores prevê congelamento do piso do magistério, através da instituição do INPC como política de reajuste, e rebaixa sobremaneira a previsão de valorização do piso e das carreiras do magistério em todo país. Após cinco anos de vigência da Lei 11.738, o piso do magistério corresponde à quantia de pouco mais de dois salários mínimos.
 
Vargas colocou o gabinete da vice-presidência à disposição do presidente da CNTE, Roberto Leão, assim de como a categoria dos professores. “Lá é nossa base, onde as entidades sindicais, movimentos populares têm seu espaço para se articularem. A defesa do piso nacional dos professores não é só da categoria, mas dos alunos e alunas, do país que nós queremos. Professores remunerados de forma adequada, tendo acessão e avanço salarial é uma garantia de que os filhos e filhos do nosso país serão cada vez melhor cuidados. Os professores estarão motivados, estarão em boas condições psicológicas e terão a condição de vida garantida”, reforçou Vargas.
 
O deputado lembrou a definição do piso nacional foi uma grande conquista. “Havia profissionais neste país trabalhando por metade de um salário mínimo, condições difíceis. Antes que acontecesse a revolução da educação neste país, era preciso dar a base e o piso essa é garantia, mas também é preciso garantir o reajuste adequado. Essa também é a nossa luta, é o Brasil que queremos construir, mas isso só será possível se tivermos uma educação de qualidade, pública, gratuita e a devida remuneração para aqueles que são os atores da educação”, reforçou.
 
O tema da campanha é: Piso dos Professores (as): deputado(a), estamos de olho no seu voto! Vote contra o INPC. Vote contra a proposta dos governadores!

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios