Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

No livro de Samuel, o Autor sagrado da Bíblia relata a história da prece de Ana, nestes termos: Ana estava profundamente deprimida porque Javé a havia feito estéril. Quando foi ao templo orou fervorosamente para que Deus lhe desse um filho e afastasse dela a humilhação. Sua prece foi tão intensa que o sacerdote Heli pensou que ela estivesse embriagada. Mas ela lhe disse: “Não, meu senhor, sou uma mulher atribulada, não bebi vinho nem bebida forte; derramo minha alma perante Javé. Não julgues a tua serva como uma vadia. É porque estou muito triste e aflita que tenho falado até agora” (I Sm 1,15-16).

Heli, então, a abençoou e, quando ela voltou para casa, a depressão a deixou e começou a comer, e o seu aspecto não era mais o mesmo (cf.: I Sm 1,18). Mais tarde, ela concebeu e deu à luz um filho, a quem chamou de Samuel.

O que mais me comove nesta história é que a depressão deixou Ana depois de sua oração, muito antes que Javé respondesse à sua prece, dando-lhe um filho. Foi a sua prece agonizante em que colocou todos os seus sentimentos de humilhação, rejeição e ressentimento diante de Deus, que fez com que a escuridão do seu íntimo deixasse de existir. Seu marido, Elcana, não tinha sido capaz de consolá-la, apesar de lhe ter dito: “Ana, por que choras e não te alimentas? Por que estás infeliz? Será que eu não valho para ti mais do que dez filhos?” (cf.: I Sm 1,8). Mas quando ela desabafou toda a amargura de sua alma (cf.: I Sm 1,10) com Deus e permitiu que Deus a tocasse, tornou-se uma nova mulher e entendeu que Deus ouviria a sua oração.

A importância da oração

A oração cura! Não somente a resposta à oração. Chegamos a conhecer o amor de Deus por nós e descobrimos como estamos seguros no seu abraço, quando desistimos da nossa concorrência com Deus e Lhe oferecemos todas as partes de nosso coração, não ocultando absolutamente nada. Quando soubermos de novo que Deus não nos rejeitou, e sim nos conserva perto do seu coração, poderemos novamente encontrar a alegria de viver, mesmo que Deus possa guiar nossa vida numa direção diferente de nossos desejos.

A oração é tão importante! Ela nos convida a viver em uma comunhão cada vez maior com Aquele que nos ama, mais do que qualquer ser humano jamais poderia fazê-lo. Depois de sua prece, Ana soube mais uma vez que era amada por Deus. Na oração ela redescobriu o seu eu verdadeiro. Sua felicidade não dependia mais de ter um filho, mas somente do amor de Deus, total e ilimitado. Assim, ela podia enxugar suas lágrimas, comer de novo e ver a sua depressão ir embora. Quando Deus, no seu amor, lhe deu um filho, ela ficou verdadeiramente agradecida. Porque a bondade de Deus, e não a sua própria, era a principal fonte de sua alegria.

Ó Deus, veja-me e deixe que eu veja.

Seu Irmão, Eduardo Rocha Quintella

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.