Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Gn 1,26–2,3)

Leitura do Livro do Gênesis.

26Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem e segundo a nossa semelhança, para que domine sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, e sobre todos os répteis que rastejam sobre a terra”.

27E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou: homem e mulher os criou. 28E Deus os abençoou e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a! Dominai sobre os peixes do mar, sobre os pássaros do céu e sobre todos os animais que se movem sobre a terra”. 29E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão semente sobre a terra, e todas as árvores que produzem fruto com sua semente, para vos servirem de alimento. 30E a todos os animais da terra, e a todas as aves do céu, e a tudo o que rasteja sobre a terra e que é animado de vida, eu dou todos os vegetais para alimento”. E assim se fez. 31E Deus viu tudo quanto havia feito, e eis que tudo era muito bom. Houve uma tarde e uma manhã: sexto dia. 2,1E assim foram concluídos o céu e a terra com todo o seu exército. 2No sétimo dia, Deus considerou acabada toda a obra que tinha feito; e no sétimo dia descansou de toda a obra que fizera. 3Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, porque nesse dia descansou de toda a obra da criação.

— Palavra do Senhor.

— Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 89)

— Ó Senhor, fazei dar frutos o labor de nossas mãos!

— Ó Senhor, fazei dar frutos o labor de nossas mãos!

— Já bem antes que as montanhas fossem feitas ou a terra e o mundo se formassem, desde sempre e para sempre vós sois Deus.

— Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, quando dizeis: “Voltai ao pó, filhos de Adão!” Pois mil anos para vós são como ontem, qual vigília de uma noite que passou.

— Ensinai-nos a contar os nossos dias, e dai ao nosso coração sabedoria! Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? Tende piedade e compaixão de vossos servos!

— Saciai-nos de manhã com vosso amor e exultaremos de alegria todo dia! Manifestai a vossa obra a vossos servos, e a seus filhos revelai a vossa glória!

Evangelho (Mt 13,54-58)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós!

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor!

Naquele tempo, 54dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? 55Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? 56E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?” 57E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” 58E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Precisamos permanecer em comunhão com o Senhor

 “Porque a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” (João 6,55-56).

Queremos permanecer em Jesus! Precisamos permanecer n’Ele, porque, se permanecermos, produziremos os frutos do Reino. O mais bonito é que Ele quer permanecer em nós, Ele desejou ardentemente permanecer conosco e está no meio de nós.

A beleza é que Ele está no meio de nós de forma real, visível e concreta, pois Ele nos deixou o Seu corpo e o Seu sangue. Voltamo-nos para o mistério da cruz de Jesus e ali vemos o Seu sangue ser derramado e a Sua carne ser pregada na cruz. Ele deu o Seu corpo e o Seu sangue para nos salvar e nos libertar dos nossos pecados, mas Ele também nos dá o Seu corpo e o Seu sangue para que tenhamos a vida em Deus e para que a vida d’Ele esteja em nós.

Não podemos permanecer distantes de Jesus; precisamos permanecer em Deus. E a maneira de permanecermos n’Ele é termos comunhão com Ele. Talvez, alguns pensem que comunhão é ter um pensamento igual, é estar pensando em Deus; essa comunhão também passa pelos pensamentos e pelos sentimentos, mas é muito mais do que isso: é ter a vida de Deus em nós e a nossa vida estar n’Ele, porque o sangue e a carne representam a totalidade da vida.

Precisamos permanecer em Jesus, porque, se permanecermos n’Ele, produziremos os frutos do Reino

Deus não quer estar conosco de forma aparente, superficial ou virtual. Deus quer estar conosco em tudo aquilo que realizamos, Ele quer que a vida d’Ele esteja em nós. Por isso, precisamos encarnar Jesus como Ele se encarnou no meio de nós. Assim como o Filho de Deus assumiu a natureza humana, a carne humana, a vida humana, o sangue humano, a natureza divina, também precisam estar em nós. Precisamos encarnar Jesus em nós, ter os sentimentos, os pensamentos e a vida d’Ele em nós.

Não se desvie do sacramento da graça e da Eucaristia. Onde quer que você esteja, na sua casa, trabalhando, mesmo distante, olhe para as Igrejas que estão no mundo inteiro e proclame: “Nós O adoramos, Santíssimo Senhor Jesus Cristo aqui, ali, em todas as nossas Igrejas que estão no mundo inteiro e Vos bendizemos, porque pela vossa santa cruz remistes o mundo”. Assim rezava Francisco, é assim que precisamos também orar! E não só orar, mas ter uma vida eucarística, ter uma vida na comunhão com o Senhor, adorando e permitindo que Ele permaneça em nós.

No meio de tantas agitações, inquietações, preocupações e tensões é preciso acalmar a alma, o coração, os afetos, os sentimentos, porque, se não o fizermos, seremos tomados pela raiva, pelo medo, pelo rancor, pelos ressentimentos e tensões próprias da vida.

É preciso voltar-se para Jesus porque Ele está voltando-Se para nós. É preciso encarnar os sentimentos de Jesus e comungar do Seu corpo, da Sua carne, do Seu sangue e da Sua vida em nós.

Deus abençoe você!   

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

São José Operário

A Igreja, providencialmente, nesta data civil marcada, muitas vezes, por conflitos e revoltas sociais, cristianizou esta festa, isso na presença de mais de 200 mil pessoas na Praça de São Pedro, as quais gritavam alegremente: “Viva Cristo trabalhador, vivam os trabalhadores, viva o Papa!” O Papa, em 1955, deu aos trabalhadores um protetor e modelo: São José, o operário de Nazaré.

O santíssimo São José, protetor da Igreja Universal, assumiu este compromisso de não deixar que nenhum trabalhador de fé – do campo, indústria, autônomo ou não, mulher ou homem – esqueça-se de que ao seu lado estão Jesus e Maria. A Igreja, nesta festa do trabalho, autorizada pelo Papa Pio XII, deu um lindo parecer sobre todo esforço humano que gera, dá a luz e faz crescer obras produzidas pelo homem: “Queremos reafirmar, em forma solene, a dignidade do trabalho a fim de que inspire na vida social as leis da equitativa repartição de direitos e deveres.”

São José, que na Bíblia é reconhecido como um homem justo, é quem revela com sua vida que o Deus que trabalha sem cessar na santificação de Suas obras, é o mais desejoso de trabalhos santificados: “Seja qual for o vosso trabalho, fazei-o de boa vontade, como para o Senhor, e não para os homens, cientes de que recebereis do Senhor a herança como recompensa… O Senhor é Cristo” (Col 3,23-24).

São José Operário, rogai por nós!

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios