Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Ap 7,2-4.9-14)

Leitura do Livro do Apocalipse de São João:

Eu, João, 2vi um outro anjo, que subia do lado onde nasce o sol. Ele trazia a marca do Deus vivo e gritava, em alta voz, aos quatro anjos que tinham recebido o poder de danificar a terra e o mar, dizendo-lhes: 3“Não façais mal à terra, nem ao mar, nem às árvores, até que tenhamos marcado na fronte os servos do nosso Deus”.

4Ouvi então o número dos que tinham sido marcados: eram cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel.

9Depois disso, vi uma multidão imensa de gente de todas as nações, tribos, povos e línguas, e que ninguém podia contar. Estavam de pé diante do trono e do Cordeiro; trajavam vestes brancas e traziam palmas na mão. 10Todos proclamavam com voz forte: “A salvação pertence ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro”.

11Todos os anjos estavam de pé, em volta do trono e dos Anciãos e dos quatro Seres vivos, e prostravam-se, com o rosto por terra, diante do trono. E adoravam a Deus, dizendo: 12“Amém. O louvor, a glória e a sabedoria, a ação de graças, a honra, o poder e a força pertencem ao nosso Deus para sempre. Amém”. 13E um dos Anciãos falou comigo e perguntou: “Quem são esses vestidos com roupas brancas? De onde vieram?” 14Eu respondi: “Tu é que sabes, meu senhor”. E então ele me disse: “Esses são os que vieram da grande tribulação. Lavaram e alvejaram as suas roupas no sangue do Cordeiro”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 23)

— É assim a geração dos que procuram o Senhor!

— É assim a geração dos que procuram o Senhor!

— Ao Senhor pertence a terra e o que ela encerra,/ o mundo inteiro com os seres que o povoam;/ porque ele a tornou firme sobre os mares,/ e sobre as águas a mantém inabalável.

— “Quem subirá até o monte do Senhor,/ quem ficará em sua santa habitação?”/ “Quem tem mãos puras e inocente coração,/ quem não dirige sua mente para o crime.

— Sobre este desce a bênção do Senhor/ e a recompensa de seu Deus e Salvador”./ “É assim a geração dos que o procuram,/ e do Deus de Israel buscam a face”.

Segunda Leitura (1Jo 3,1-3)

Leitura da Primeira Carta de São João:

Caríssimos: 1Vede que grande presente de amor o Pai nos deu: de sermos chamados filhos de Deus! E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não conheceu o Pai. 2Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas nem sequer se manifestou o que seremos! Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque o veremos tal como ele é. 3Todo o que espera nele, purifica-se a si mesmo, como também ele é puro.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Anúncio do Evangelho (Mt 5,1-12a)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 1vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-se. Os discípulos aproximaram-se, 2e Jesus começou a ensiná-los:

3“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus. 4Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados.

5Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a terra. 6Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

11Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de mim. 12aAlegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos céus”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

A santidade é a nossa semelhança com Deus

“Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Mateus 5,3).

A Igreja nos dá a graça de celebrarmos, num só dia, a Solenidade de todos os Santos. Imaginamos aquela multidão que ocupa o Céu, os santos que amamos e conhecemos: São Francisco, Santa Clara, Santa Dulce dos Pobres, tantos e tantos que, graças a Deus, para nós são modelos, escolas de vida que a Igreja canonizou e nos trouxe como referencial no seguimento de Cristo.

A multidão é muito maior do que podemos imaginar, nela está incluso nossos pais, pessoas que conhecemos. Nessa multidão que ocupa os Céus, estão muitos daqueles que viveram e conviveram conosco e levaram uma vida bem-aventurada.

A santidade não é um privilégio, a santidade é uma obrigação de todos nós, é a primeira graça que o batismo nos confere. Somos santificados, lavados da mancha do pecado e somos purificados para vivermos a graça da santidade. Por isso, santidade é compromisso de vida, é responsabilidade pessoal de cada um de nós.

O Reino dos Céus é para todos nós, mas se não levamos a sério o Reino dos Céus e a santidade, estamos perdendo a graça e poderemos ficar de fora dessa festa tão linda. Por isso, hoje, queremos exaltar a santidade. A santidade é a nossa semelhança com Deus, e Ele mesmo nos chama, nos evoca, nos dá essa sentença: “Sede santos, porque eu sou santo” (I Pedro 1,16). 

A santidade exige de nós a pureza e a mansidão de alma

Não podemos pensar em santidade apenas como pessoas que vivem o tempo inteiro rezando, e assim por diante. A oração é fundamental, é o combustível que move o coração no meio do mundo em que estamos, para não perdermos o gosto pelas coisas do Céu. Então, não podemos pensar em santidade sem a vida de oração.

A santidade exige, acima de tudo, compromisso com a vida, exige um coração pobre, despojado, desapegado dos bens deste mundo. A santidade exige de nós a pureza e a mansidão de alma. 

O mundo é cheio de conflitos, onde as pessoas, até em nome de Deus, querem promover guerras, querem se colocar umas contra as outras. Santo de verdade é aquele que promove a paz em meio a tantas ondas de conflitos na sociedade em que estamos. Muitas vezes, seremos perseguidos, incompreendidos, mas não podemos perder a fome e a sede da justiça, porque aquele que vive a santidade em Deus é justo, procura ser justo em tudo o que faz e jamais se conforma com qualquer forma de injustiça no mundo em que estamos.

Sejamos santos, almejemos a santidade, busquemos viver nos atos, nas obras, nas palavras, nas ações, aquilo que é a identidade de Deus, para que ela também esteja impressa em nós para participarmos dessa festa grande no Céu: a Festa de todos os Santos.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios