Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (2Tm 1,1-3.6-12)

Início da Segunda Carta de São Paulo a Timóteo.

1Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo pelo desígnio de Deus referente à promessa de vida que temos em Cristo Jesus, 2a Timóteo, meu querido filho: Graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Cristo Jesus, nosso Senhor!

3Dou graças a Deus – a quem sirvo com a consciência pura, como aprendi dos meus antepassados –, quando me lembro de ti, dia e noite, nas minhas orações. 6Por este motivo, exorto-te a reavivar a chama do dom de Deus que recebeste pela imposição das minhas mãos. 7Pois Deus não nos deu um espírito de timidez mas de fortaleza, de amor e sobriedade. 8Não te envergonhes do testemunho de Nosso Senhor nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus. 9Deus nos salvou e nos chamou com uma vocação santa, não devido às nossas obras, mas em virtude do seu desígnio e da sua graça, que nos foi dada em Cristo Jesus desde toda a eternidade. 10Esta graça foi revelada agora, pela manifestação de nosso Salvador, Jesus Cristo. Ele não só destruiu a morte, como também fez brilhar a vida e a imortalidade por meio do Evangelho, 11do qual fui constituído anunciador, apóstolo e mestre. 12Esta é a causa pela qual estou sofrendo, mas não me envergonho, porque sei em quem pus a minha fé. E tenho a certeza de que ele é capaz de guardar aquilo que me foi confiado até o grande dia.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 122)

— Ó Senhor, para vós eu levanto meus olhos.

— Ó Senhor, para vós eu levanto meus olhos.

— Eu levanto meus olhos para vós, que habitais nos altos céus. Como os olhos dos escravos estão fitos nas mãos do seu Senhor.

— Como os olhos das escravas estão fitos nas mãos de sua senhora, assim os nossos olhos, no Senhor, até de nós ter piedade.

Evangelho (Mc 12,18-27)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 18vieram ter com Jesus alguns saduceus, os quais afirmam que não existe ressurreição e lhe propuseram este caso: 19“Mestre, Moisés deu-nos esta prescrição: Se morrer o irmão de alguém, e deixar a esposa sem filhos, o irmão desse homem deve casar-se com a viúva, a fim de garantir a descendência de seu irmão”. 20Ora, havia sete irmãos: o mais velho casou-se, e morreu sem deixar descendência. 21O segundo casou-se com a viúva, e morreu sem deixar descendência. E a mesma coisa aconteceu com o terceiro. 22E nenhum dos sete deixou descendência. Por último, morreu também a mulher. 23Na ressurreição, quando eles ressuscitarem, de quem será ela mulher? Porque os sete se casaram com ela!”

24Jesus respondeu: “Acaso, vós não estais enganados, por não conhecerdes as Escrituras, nem o poder de Deus? 25Com efeito, quando os mortos ressuscitarem, os homens e as mulheres não se casarão, pois serão como os anjos do céu. 26Quanto ao fato da ressurreição dos mortos, não lestes, no livro de Moisés, na passagem da sarça ardente, como Deus lhe falou: ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó’? 27Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! Vós estais muito enganados”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Deus nos criou para a eternidade

 “Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos! Vós estais muito enganados” (Marcos 12,27).

O engano que os saduceus cometem é não crerem na vida, mas, sobretudo, crerem na vida eterna como se Deus vivesse administrando mortos na eternidade. De forma alguma, nós cremos na vida e na vida eterna.

Aquele que nos criou à Sua imagem e semelhança não nos criou para que morrêssemos, mas para que participássemos da Sua eternidade. Mesmo feridos pelo pecado como fomos, por Seu Filho Jesus, Deus nos deu novamente a vida eterna. Porém, assim como os saduceus, nós também cometemos muitos equívocos, erros e visões reducionistas a respeito da vida no sentido pleno e eterno.

Somos movidos por uma visão muito materialista da vida. Reduzimos a vida a essa condição existencial e material, e essa vida existencial e material onde estamos é marcada pelo hedonismo, pela busca do prazer, pela busca só das coisas prazerosas que essa vida nos concede; até as próprias relações são reduzidas por meio daquela visão de mundo do jeito em que estamos.

O próprio exemplo que os saduceus trazem é dessa mulher que se casa com o primeiro homem e não deixa filhos; casa-se com o segundo homem e assim por diante. De quem essa mulher será na eternidade?

Precisamos assumir na nossa identidade humana, a nossa identidade cristã

Não pertencemos a ninguém, pertencemos a Deus. Aqui na Terra, estabelecemos relações de convivências, de familiaridade, mas a nossa familiaridade eterna é com Deus.

Os laços que estabelecemos uns com os outros são laços eternos de amor, jamais laços de propriedade. Por isso, na eternidade, pertenceremos para sempre a Deus, como os anjos pertencem a Ele e estão para louvá-Lo, adorá-Lo e glorificá-Lo. Quando morrermos, iremos ao encontro do Senhor para vivermos as realidades celestes e não para vivermos as realidades terrenas.

Vivemos as realidades terrenas enquanto estamos na Terra, e dela sim cuidamos, como criar os filhos e cuidar da família; depois, faremos parte, para sempre, da família eterna de Deus, estaremos para sempre na Sua presença.

Temos que tirar da nossa cabeça aquela visão equivocada: “No outro mundo, saberemos quem fomos na Terra?”. É claro que sim! A nossa identidade é única, é para a eternidade, apenas precisamos assumir na nossa identidade humana, a nossa identidade cristã de nos identificarmos com Jesus, com Deus e com as coisas eternas. Porque, senão, viveremos uma visão reducionista, errada e cega do próprio modo de sermos cristãos.

Desde agora, busquemos as coisas do Alto e busquemos ter uma visão de acordo com aquilo que ilumina a nossa fé, senão, a morte se torna uma coisa tão obscura, sem sentido e sem valor, porque reduzimos tudo aquilo que é material e terreno. Deus nos criou para a eternidade!  

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios