Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (2Cor 3,4-11)

Leitura da Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios.

Irmãos, 4é por Cristo que temos tal confiança perante Deus, 5não porque sejamos capazes por nós mesmos, de ter algum pensamento, como de nós mesmos, mas essa nossa capacidade vem de Deus. 6Ele é que nos tornou capazes de exercer o ministério de uma aliança nova. Esta não é uma aliança da letra, mas do Espírito. Pois a letra mata, mas o Espírito comunica a vida. 7Se o ministério da morte, gravado em pedras com letras, foi cercado de tanta glória, que os israelitas não podiam fitar o rosto de Moisés, por causa do seu fulgor, ainda que passageiro, 8quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito? 9Pois, se o ministério da condenação foi glorioso, muito mais glorioso há de ser o ministério a serviço da justificação. 10Realmente em comparação com uma glória tão eminente, já não se pode chamar glória o que então tinha sido glorioso. 11Pois se o que era passageiro foi marcado de glória, muito mais glorioso será o que permanece.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 98)

— Santo é o Senhor nosso Deus!

— Santo é o Senhor nosso Deus!

— Exaltai o Senhor nosso Deus, e prostrai-vos perante seus pés, pois é santo o Senhor nosso Deus!

— Eis Moisés e Aarão entre os seus sacerdotes. E também Samuel invocava seu nome, e ele mesmo, o Senhor, os ouvia.

— Da coluna de nuvem falava com eles. E guardavam a lei e os preceitos divinos, que o Senhor nosso Deus tinha dado.

— Respondíeis a eles, Senhor nosso Deus, porque éreis um Deus paciente com eles, mas sabíeis punir seu pecado.

— Exaltai o Senhor nosso Deus, e prostrai-vos perante seu monte, pois é santo o Senhor nosso Deus!

Evangelho (Mt 5,17-19)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo; disse Jesus aos seus discípulos: 17”Não penseis que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento. 18Em verdade, eu vos digo: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem uma só letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo se cumpra. 19Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus. Porém, quem os praticar e ensinar será considerado grande no Reino dos Céus”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Valorizemos todos os mandamentos de Deus

“Portanto, quem desobedecer a um só destes mandamentos, por menor que seja, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será considerado o menor no Reino dos Céus” (Mateus 5,19).

Na cultura do relativismo, as pessoas relativizam tudo, e dizem: “O essencial eu fiz”, “O importante eu fiz”, e desconsideram coisas que são importantes. No Reino dos Céus, não podemos seguir de forma alguma essa tendência, essa influência, esse mal.

“Eu sou uma pessoa boa e justa”, “Sou uma pessoa honesta”, “Eu não roubo”, “Eu não mato”. Desculpe-me, mas os únicos mandamentos não são matar e roubar, porque uma pessoa vai dizer: “Não preciso me confessar, porque eu não roubo, eu não mato, eu não faço nada que esses grandes fazem. Não cometo os pecados que os outros cometem”.

Não posso tornar nenhum dos mandamentos menores

Não paremos nesse pensamento relativista e enganoso que nos tira da luz da verdade. Precisamos fazer isso sem deixar de praticar aquilo, porque acaba sendo uma desculpa para uma coisa errada que fazemos na vida, ou um comportamento errado que estamos cultivando, mas colocamos em conta, porque as outras coisas praticamos.

Temos que praticar, temos que nos esforçar para fazer tudo, e não relativizar. Não é porque não matamos, não roubamos, que temos o direito de fazer isso ou aquilo. Não podemos tornar nenhum dos mandamentos menores; temos que, na verdade, nos esforçar, sermos dedicados e trabalhar pela santidade, para sermos homens íntegros.

Às vezes, relativizamos algumas coisas na vida. “Eu sou assim mesmo”. Não é porque você é uma pessoa que ajuda os outros, que faz o bem, e por causa disso você pode ser grosseiro e sem educação.

Continue sendo bom, justo e honesto, mas trabalhe o temperamento. Nada justifica agredirmos o outro. “É uma fraqueza que tenho”. É verdade, temos as nossas fraquezas, reconhecemos todas elas, o problema é quando relativizamos as coisas, o problema é quando nos escondemos por trás delas e dizemos: “É porque eu sou assim mesmo. O mais importante são as coisas que eu faço”.

Precisamos continuar fazendo as coisas boas sem, contudo, relativizar aquilo que não está bom. Porque quem desobedece a um só desses mandamentos, por menor que seja, por menor que considere, por menor que o relativize, não só precisa se esforçar para vivê-lo, como não pode cair na tentação de, além de fazer o que é errado, ensinar errado aos outros.

Às vezes, começa com coisas pequenas, vividas no cotidiano da vida. A pessoa descobriu o meio de levar vantagem numa situação, ganhar dinheiro sem esforço, mas fazendo de uma forma desonesta. “É pequeno, não estou roubando o banco”. Não pode fazer, nem banco, nem o que é do outro, nem da empresa ou seja lá o que for, nem ensinar os outros a fazer.

Sejamos honesto nas pequenas e nas grandes coisas. Sejamos coerentes nas pequenas e nas grandes coisas. Se temos dificuldades com isso e com aquilo, trabalhemos a dificuldade, mas nunca devemos ensinar o errado como se fosse certo; e não relativizemos o certo, transformando-o como se fosse coisa errada. É assim que vivemos o seguimento de Jesus.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios