Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Jn 4,1-11)

Leitura da Profecia de Jonas.

1Este desfecho causou em Jonas profunda mágoa e irritação; 2orou então ao Senhor, dizendo: “Peço-te me ouças, Senhor: não era isto que eu receava, quando ainda estava em minha terra? Por isso, antecipei-me, fugindo para Társis. Sabia que és um Deus benigno e misericordioso, paciente e cheio de bondade, e que facilmente perdoas a punição. 3E agora, Senhor, peço que me tires a minha vida, para mim é melhor morrer do que viver”. 4Disse o Senhor: “Achas que tens boas razões para irar-te?” 5Jonas saiu da cidade e estabeleceu-se na parte oriental e ali fez para si uma cabana, onde repousava à sombra, a ver o que ia acontecer à cidade.

6O Senhor Deus fez nascer uma hera, que cresceu sobre a cabana, para dar sombra à cabeça de Jonas e abrandar seu aborrecimento. E Jonas alegrou-se grandemente por causa da hera. 7Mas, ao raiar do dia seguinte, Deus determinou que um verme atacasse a hera, e ela secou.

8Quando o sol se levantou, mandou Deus do oriente um vento quente; e o sol bateu forte sobre a cabeça de Jonas, que se sentiu desfalecer; teve vontade de morrer, e disse: “Para mim é melhor morrer do que viver”. 9Disse Deus a Jonas: “Achas que tens boas razões para irar-te por esta hera?”

“Sim”, respondeu ele, “tenho razão até para morrer de raiva”. 10O Senhor replicou-lhe: “Tu sofres por causa desta planta, que não te custou trabalho e não fizeste crescer, que nasceu numa noite e na outra morreu. 11E eu não haveria de salvar esta grande cidade de Nínive, em que vivem cento e vinte mil seres humanos, que não sabem distinguir a mão direita da esquerda, e um grande número de animais?”

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 85)

— Ó Senhor, sois amor, paciência e perdão.

— Ó Senhor, sois amor, paciência e perdão.

— Piedade de mim, ó Senhor, porque clamo por vós todo o dia! Animai e alegrai vosso servo, pois a vós eu elevo a minh’alma.

— Ó Senhor, vós sois bom e clemente, sois perdão para quem vos invoca. Escutai, ó Senhor, minha prece, o lamento da minha oração!

— As nações que criastes virão adorar e louvar vosso nome. Sois tão grande e fazeis maravilhas: vós somente sois Deus e Senhor!

Evangelho (Lc 11,1-4)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.

— Glória a vós, Senhor.

1Um dia, Jesus estava rezando num certo lugar. Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: “Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos”. 2Jesus respondeu: “Quando rezardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino. 3Dá-nos a cada dia o pão de que precisamos,4e perdoa-nos os nossos pecados, pois nós também perdoamos a todos os nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação’”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

A oração é a grande graça da nossa vida

 “Quando terminou, um de seus discípulos pediu-lhe: ‘Senhor, ensina-nos a rezar, como também João ensinou a seus discípulos’” (Lucas 11,1).

A prece, a súplica muito sincera desse discípulo deve ser também a nossa prece, a nossa súplica e o anseio da nossa alma. Até queremos rezar, mas não sabemos, e só quem pode nos ensinar é Aquele que é o modelo da nossa oração.

Jesus, um homem orante, colocava-se na presença do Pai,  dia e noite, para viver essa comunhão de fé, de amor e comunhão intrínseca entre o Pai e o Filho. Já que Ele nos tornou filhos de Deus por adoção, que Jesus também nos ensine a viver a comunhão que viveu com seu Pai, porque, se não vivemos a comunhão com Deus, nos perdemos no meio do mundo, das agitações, das tribulações e de todas as ocupações que temos.

Precisamos aprender a ter comunhão com Deus, e quem pode nos ensinar é Jesus. Precisamos querer rezar, porque a oração é a atitude de alma, do coração, é, inclusive, uma atitude corporal. É decisão de vida querer orar.

Quando decidimos orar, Jesus nos dá o Espírito orante, o Espírito Santo, o Espírito que ora em nós até quando não sabemos orar. Por isso, toda oração é dirigida ao nosso Pai, aquele que é o Pai de cada um de nós.

A oração é atitude de alma, de coração, é, inclusive, atitude corporal. É decisão de vida querer orar

Não podemos deixar de nos colocar nos braços de Deus, no colo do Pai, pois temos essa relação afetiva, filial, amorosa e terna com o nosso Pai. É tudo que precisamos, termos uma relação verdadeiramente amorosa com o nosso Pai.

Engrandecer, santificar, exaltar o nome d’Aquele que é o Senhor Nosso Deus, pedir que o seu Reino esteja entre nós, suplicar, sobretudo, que, a cada dia, possamos viver o perdão, a misericórdia e a reconciliação. Pedir a esse Pai que nos dê o pão necessário, mas esse pão que pedimos ao Pai que não é nosso, não é somente para mim ou para os meus, mas para todos nós.

O Pai nos ensina a partilhar e a perdoar. É esse Pai que nos dará forças para não cairmos e sucumbirmos na tentação que temos na vida.

Supliquemos o dom da oração ao Senhor Nosso Deus. Jesus pede ao Pai por nós. Jesus, dê-nos do Pai um espírito orante, para que façamos da oração a grande graça da nossa vida.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios