Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Hb 2,14-18)

Leitura da Carta aos Hebreus.

14Visto que os filhos têm em comum a carne e o sangue, também Jesus participou da mesma condição, para assim destruir, com a sua morte, aquele que tinha o poder da morte, isto é, o diabo, 15e libertar os que, por medo da morte, estavam a vida toda sujeitos à escravidão. 16Pois, afinal, não veio ocupar-se com os anjos, mas com a descendência de Abraão. 17Por isso devia fazer-se em tudo semelhante aos irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e digno de confiança nas coisas referentes a Deus, a fim de expiar os pecados do povo. 18Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 104,1-9)

— O Senhor se lembra sempre da Aliança.

— O Senhor se lembra sempre da Aliança.

— Dai graças ao Senhor, gritai seu nome, anunciai entre as nações seus grandes feitos! Cantai, entoai salmos para ele, publicai todas as suas maravilhas!

— Gloriai-vos em seu nome que é santo, exulte o coração que busca a Deus! Procurai o Senhor Deus e seu poder, buscai constantemente a sua face!

— Descendentes de Abraão, seu servidor, e filhos de Jacó, seu escolhido, ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, vigoram suas leis em toda a terra.

— Ele sempre se recorda da Aliança, promulgada a incontáveis gerações; da Aliança que ele fez com Abraão, e do seu santo juramento a Isaac.

Evangelho (Mc 1,29-39)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Marcos.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 29Jesus saiu da sinagoga e foi, com Tiago e João, para a casa de Simão e André. 30A sogra de Simão estava de cama, com febre, e eles logo contaram a Jesus. 31E ele se aproximou, segurou sua mão e ajudou-a a levantar-se. Então, a febre desapareceu; e ela começou a servi-los.

32À tarde, depois do pôr do sol, levaram a Jesus todos os doentes e os possuídos pelo demônio. 33A cidade inteira se reuniu em frente da casa. 34Jesus curou muitas pessoas de diversas doenças e expulsou muitos demônios. E não deixava que os demônios falassem, pois sabiam quem ele era.

35De madrugada, quando ainda estava escuro, Jesus se levantou e foi rezar num lugar deserto. 36Simão e seus companheiros foram à procura de Jesus. 37Quando o encontraram, disseram: “Todos estão te procurando”. 38Jesus respondeu: “Vamos a outros lugares, às aldeias da redondeza! Devo pregar também ali, pois foi para isso que eu vim”. 39E andava por toda a Galileia, pregando em suas sinagogas e expulsando os demônios.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Com o auxílio de Jesus, resistimos à tentação

A tentação quer nos conduzir para a morte, tirar-nos da graça e do poder da vida que Deus nos deu

“Pois, tendo ele próprio sofrido ao ser tentado, é capaz de socorrer os que agora sofrem a tentação” (Hebreus 2,18).

Cristo Jesus socorre a cada um de nós em todas as nossas tentações e tribulações. Ele foi tentado pelo demônio, resistiu e venceu as tentações para ser para nós modelo e exemplo. Acima de tudo, Ele é o vitorioso sobre o mal, porque foi Ele quem destruiu, com Sua vida, o poder da morte e do diabo.

A tentação tem uma função, tem um fim último: conduzir-nos para a morte, tirar-nos da graça e do poder da vida que Ele nos deu, para nos levar ao poder da morte. São mortes cotidianas, são mortes de amizades, de relacionamentos; mortes da vida na graça, da vida no Espírito, são mortes dos bons propósitos, das nossas boas intenções. Aos poucos, vai morrendo o que há de melhor em nós quando nos sucumbimos e nos entregamos, quando, de fato, deixamos que a tentação nos leve.

Acontece ainda algo extremo de tudo isso, quando a tentação já não tem mais força sobre nós, porque nos entregamos totalmente a ela. Não há nem mais força para combater, já não há mais alento para dizer “não” ao que é errado. Começamos a viver aquela vida errada, de modo que a vida na graça morre em nós, e já não somos mais capazes de distinguir e separar o certo do errado, o bom do ruim, porque deixamos morrer em nós a vida na graça de Deus.

Irmãos, temos Jesus que é por nós, para nos ajudar a resistir à tentação. E se cada um de nós olhar para dentro de si mesmo, perceberemos que são diversas tentações que temos na vida.

A primeira coisa é não se deixar provocar, não se deixar levar por este ou por aquele ponto, que é a sua fraqueza, a sua dificuldade, por onde somos roubados,  levados. Se tenho um propósito, a graça de Deus me leva a ser uma pessoa mais serena. Eu sei que haverá fortes tentações para que eu me desespere, perca a paciência e me torne agressivo.

Eu preciso evitar as ocasiões de pecado, eu preciso da graça de Cristo, para me ajudar a ser vencedor sobre aquilo que me leva a cair, que me rouba da graça de Deus, rouba-me a serenidade.

O que nós precisamos é acreditar, recorrer à força da oração! Para nós, o Pai Nosso, a oração por excelência realmente coloca-nos neste combate: “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. O primeiro mal é, justamente, não se levar pela tentação, não ser introduzido nela, mas ter a força interior, o discernimento interior de dizer “não” à tentação quando ela vem ser provocação para a nossa alma e coração.

Que a força de Deus mantenha-nos de pé!

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova - https://www.facebook.com/rogeraraujo.cn

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios