Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Gn 32,23-33)

Leitura do Livro do Gênesis.

Naqueles dias, 23Jacó levantou-se ainda de noite, tomou suas duas mulheres, as duas escravas e os onze filhos e passou o vau do Jaboc. 24Depois de tê-los ajudado a passar a lutar com ele até o raiar da aurora.

26Vendo que não podia vencê-lo, este tocou-lhe o nervo da coxa e logo o tendão da coxa de Jacó se deslocou, enquanto lutava com ele. 27O homem disse a Jacó: “Larga-me, pois já surge a aurora”. Mas Jacó respondeu: “Não te largarei, se não me abençoares”. 28O homem perguntou-lhe: “Qual é o teu nome?” Respondeu: “Jacó”. 29Ele lhe disse: “De modo algum te chamarás Jacó, mas Israel; porque lutaste com Deus e com os homens, e venceste”. 30Perguntou-lhe Jacó: “Dize-me, por favor, o teu nome”. Ele respondeu: “Por que perguntas-me o meu nome?” E ali mesmo o abençoou. 31Jacó deu a esse lugar o nome de Fanuel, dizendo: “Vi Deus face a face e tive poupada a minha vida”.

32Surgiu o sol quando ele atravessava Fanuel; e ia mancando por causa da coxa. 33Por isso os filhos de Israel não comem até hoje o nervo da articulação da coxa, pois Jacó foi ferido nesse nervo.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 16)

— Verei, justificado, vossa face, ó Senhor!

— Verei, justificado, vossa face, ó Senhor!

— Ó Senhor, ouvi a minha justa causa, escutai-me e atendei o meu clamor! Inclinai o vosso ouvido à minha prece, pois não existe falsidade nos meus lábios.

— De vossa face é que me venha o julgamento, pois vossos olhos sabem ver o que é justo. Provai meu coração durante a noite, visitai-o, examinai-o pelo fogo, mas em mim não achareis iniquidade.

— Eu vos chamo, ó meu Deus, porque me ouvis, inclinai-me o vosso ouvido e escutai-me! Mostrai-me vosso amor maravilhoso, vós que salvais e libertais do inimigo quem procura a proteção junto de vós.

— Protegei-me qual dos olhos a pupila e guardai-me, à proteção de vossas asas. Mas eu verei, justificado, a vossa face e ao despertar me saciará vossa presença.

Evangelho (Mt 9,32-38)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 32apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. 33Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar. As multidões ficaram admiradas e diziam: “Nunca se viu coisa igual em Israel”. 34Os fariseus, porém, diziam: “É pelo chefe dos demônios que ele expulsa os demônios”.

35Jesus percorria todas as cidades e povoados, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino, e curando todo o tipo de doença e enfermidade. 36Vendo Jesus as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam cansadas e abatidas, como ovelhas que não têm pastor. Então disse a seus discípulos: 37“A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. 38Pedi pois ao dono da messe que envie trabalhadores para a sua colheita!”

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Cultivemos entre nós a boa comunicação

Precisamos deixar que a graça da divina comunicação esteja agindo no meio de nós

“Apresentaram a Jesus um homem mudo, que estava possuído pelo demônio. Quando o demônio foi expulso, o mudo começou a falar” (Mateus 9,32-33).

A ação do maligno, no mundo e na nossa vida, acontece de diversas formas. Não pense que possessão é apenas estarmos possuídos, o demônio estar nos agitando. Às vezes, há uma influência do mal que nos leva a ter comportamentos que nos deixam atravancados para a graça e assim por diante.

Este homem possuído pelo mal não falava, estava mudo, com trauma e ressentimento, uma mágoa, uma situação sofrida ou uma decepção, não sabemos dizer o que aconteceu. O que sabemos é que sua voz ficou paralisada.

Se não temos voz, não é simplesmente por termos nascidos mudos, mas porque não nos manifestarmos, não falamos quando precisamos. Se, de um lado, há os demônios que nos levam a falar demais, a fofocar, a falar da vida dos outros – e esse demônio é tão terrível –, como é terrível também aquele que não fala quando precisa falar, não diz seu ‘sim’ quando precisa dizer, não dá a sua colaboração quando precisa dar, não aconselha quando precisa aconselhar, não participa quando precisa participar.

Preocupo-me, porque essa espécie de demônio invade as relações humanas. Se olharmos, por exemplo, para os nossos casamentos, o grande problema se chama “demônio da mudez”, aquele que não permite que um converse com o outro, falam de tudo, mas, quando brigam, não são capazes de dialogar, não são capazes de falar o que é preciso.

Se de um lado há a parte que não tem capacidade de escutar, há outra que não sabe falar quando é preciso. Precisamos romper com este mal, precisamos deixar que a graça da divina comunicação esteja agindo no meio de nós. Não é para ficar falando sem parar, o tempo inteiro, não se trata disso.

Não podemos simplesmente ficar mudos, calados, passivos e não dizermos nada. Aquela história do “Eu não vou me comprometer” não é de Deus. É de Deus saber falar na hora exata, no momento certo, por isso os demônios nos querem falando demais o que não devemos ou nos querem calados demais, porque não nos comunicamos nem nos relacionamos, ficamos o tempo inteiro “na nossa”.

A graça de Deus é para falarmos na hora certa e da forma correta. Expulsemos do nosso meio os demônios que não nos permitem comunicar como devemos.

Deus abençoe você!

Ouça a Homilia

https://www.youtube.com/watch?v=ojCv-mvva0A
 

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: mailto:padrerogercn@gmail.com –Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios