Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (At 18,1-8)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.

Naqueles dias, 1Paulo deixou Atenas e foi para Corinto. 2Aí encontrou um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, que acabava de chegar da Itália, e sua esposa Priscila, pois o imperador Cláudio tinha decretado que todos os judeus saíssem de Roma. Paulo entrou em contato com eles. 3E, como tinham a mesma profissão – eram fabricantes de tendas –, Paulo passou a morar com eles e trabalhavam juntos.

4Todos os sábados, Paulo discutia na sinagoga, procurando convencer judeus e gregos. 5Quando Silas e Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo dedicou-se inteiramente à Palavra, testemunhando diante dos judeus que Jesus era o Messias. 6Mas, por causa da resistência e blasfêmias deles, Paulo sacudiu as vestes e disse: “Vós sois responsáveis pelo que acontecer. Eu não tenho culpa; de agora em diante, vou dirigir-me aos pagãos”.

7Então, saindo dali, Paulo foi para a casa de um pagão, um certo Tício Justo, adorador do Deus único, que morava ao lado da sinagoga. 8Crispo, o chefe da sinagoga, acreditou no Senhor com toda a sua família; e muitos coríntios, que escutavam Paulo, acreditavam e recebiam o batismo.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 97)

— O Senhor fez conhecer seu poder salvador perante as nações.

— O Senhor fez conhecer seu poder salvador perante as nações.

— Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

— O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

— Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

Evangelho (Jo 16,16-20)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:

16“Pouco tempo ainda, e já não me vereis. E outra vez pouco tempo, e me vereis de novo”. 17Alguns dos seus discípulos disseram então entre si: “O que significa o que ele nos está dizendo: ‘Pouco tempo, e não me vereis, e outra vez pouco tempo, e me vereis de novo’, e: ‘Eu vou para junto do Pai?’”.

18Diziam, pois: “O que significa este pouco tempo? Não entendemos o que ele quer dizer”. 19Jesus compreendeu que eles queriam interrogá-lo; então disse-lhes: ‘Estais discutindo entre vós porque eu disse: ‘Pouco tempo e já não me vereis, e outra vez pouco tempo e me vereis?’

20Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Deus há de nos conceder uma alegria eterna

 “Em verdade, em verdade vos digo: Vós chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará; vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se transformará em alegria” (João 16,20).

O mundo se alegra com qualquer coisa, o mundo se alegra com o mal, com as injustiças, com o pecado; o mundo se alegra com tudo aquilo que, muitas vezes, é maldade. Não compartilhamos da alegria mundana, pois o mundo se alegra até com o sofrimento de tantos irmãos.

Se o mundo se alegra, nós lamentamos. Nós até ficamos tristes com aquilo que estamos vendo, testemunhando, com o que está passando e acontecendo. Ficamos tristes com vidas humanas que estão indo, ficamos tristes com o tratamento que se dá à pessoa humana, ficamos tristes com o descaso com a pessoa humana, ficamos tristes com o pouco-caso que se faz com Deus, com a verdade e o amor de Deus. Mas a Palavra está nos dizendo que a nossa tristeza se transformará em alegria.

Que nossa tristeza seja vivida em Deus, que nossa tristeza se passe em Deus, é por isso que um homem e uma mulher de Deus não ficam tristes por muito tempo. Toda tristeza em Deus é temporária e momentânea, porque toda tristeza em Deus é transubstanciada, é transformada, e Deus há de nos dar a verdadeira alegria, já que na Terra experimentamos as primícias dessa alegria.

Deus há de nos conceder uma alegria eterna, que ninguém nem o mundo poderá tirar de nós

Experimentamos a alegria de ver uma pessoa vencendo, de ver a pessoa superando; experimentamos a alegria das pequenas vitórias, a alegria de participar da Eucaristia. Experimentamos a alegria de amar uns aos outros, e não abrimos mão, de forma alguma, das alegrias que Deus nos manda no dia a dia, mesmo em meio ao vale de lágrimas que caminhamos.

A verdade é maior é essa: Deus há de nos conceder uma alegria eterna, que ninguém nem o mundo poderá tirar de nós nem nos perturbar.

Praticamente, faz um ano que mamãe foi para a Casa do Pai, e a tristeza tomou conta do meu coração. A tristeza toma conta do coração daquele que vê o seu ente querido partir, mas tenho que dizer que eles experimentam uma alegria tão grande e plena. Somos nós que temos muita saudade deles, mas eles já passaram da saudade, estão na plena felicidade, e nem pensam em voltar a este mundo. Estão preparando o nosso lugar para que, um dia, também estejamos lá, porque a alegria de estar junto de Deus a nada se compara.

Hoje, inclusive, celebramos Nossa Senhora de Fátima. Lúcia teve a graça, junto com os Pastorinhos, de ter a visão do Céu. Era uma alegria incomensurável, que desejaram ainda crianças correrem para morar lá.

Que não percamos o gosto, a alegria de saber que pertencemos aos Céus. Lutemos pelo nosso lugar no Céu, porque a alegria que lá nos é reservada não se compara a qualquer centímetro de sofrimento que passamos nesta vida.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Nossa Senhora de Fátima

Segundo as memórias da Irmã Lúcia, podemos dividir a mensagem de Fátima em três ciclos: Angélico, Mariano e Cordimariano.

O Ciclo Angélico se deu em três momentos: quando o anjo se apresentou como o Anjo da Paz, depois, como o Anjo de Portugal e, por fim, o Anjo da Eucaristia.

Depois das aparições do anjo, no dia 13 de maio de 1917, começa o ciclo Mariano, quando a Santíssima Virgem Maria se apresentou mais brilhante do que o sol a três crianças: Lúcia, 10 anos, modelo de obediência e seus primos Francisco, 9, modelo de adoração e Jacinta, 7, modelo de acolhimento.

Na Cova da Iria aconteceram seis aparições de Nossa Senhora do Rosário. A sexta, sendo somente para a Irmã Lúcia, assim como aquelas que ocorreram na Espanha, compondo o Ciclo Cordimariano.

Em agosto, devido às perseguições que os Pastorinhos estavam sofrendo por causa da mensagem de Fátima, a Virgem do Rosário não pôde mais aparecer para eles na Cova da Iria. No dia 19 de agosto, Ela aparece a eles, então, no Valinhos.

Algumas características em todos os ciclos: o mistério da Santíssima Trindade, a reparação, a oração, a oração do Santo Rosário, a conversão, a consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria. Enfim, por intermédio dos Pastorinhos, a Virgem de Fátima nos convoca à vivência do Evangelho, centralizado no mistério da Eucaristia. A mensagem de Fátima está a serviço da Boa Nova de Nosso Senhor Jesus Cristo.

A Virgem Maria nos convida para vivermos a graça e a misericórdia. A mensagem de Fátima é dirigida ao mundo, por isso, lá é o Altar do Mundo.

Expressão do Coração Imaculado de Maria que, no fim, irá triunfar é a jaculatória ensinada por Lúcia: “Ó Meu Jesus, perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno, levai as almas todas para o Céu; socorrei principalmente as que mais precisarem!”

Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios