Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Hb 5,7-9)

Leitura da Carta aos Hebreus.

7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se a causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 30)

— Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!

— Salvai-me pela vossa compaixão, ó Senhor Deus!

— Senhor, eu ponho em vós minha esperança; que eu não fique envergonhado eternamente. Porque sois justo, defendei-me e libertai-me; apressai-vos, ó Senhor, em socorrer-me!

— Sede uma rocha protetora para mim, um abrigo bem seguro que me salve! Sim, sois vós a minha rocha e fortaleza; por vossa honra orientai-me e conduzi-me!

— Retirai-me desta rede traiçoeira, porque sois o meu refúgio protetor! Em vossas mãos, Senhor, entrego o meu espírito, porque vós me salvareis, ó Deus fiel!

— A vós, porém, ó meu Senhor, eu me confio, e afirmo que só vós sois o meu Deus! Eu entrego em vossas mãos o meu destino; libertai-me do inimigo e do opressor!

— Como é grande, ó Senhor, vossa bondade, que reservastes para aqueles que vos temem! Para aqueles que em vós se refugiam, mostrando, assim, o vosso amor perante os homens.

Evangelho (Jo 19,25-27)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.

— Glória a vós, Senhor.
Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. 26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Nossas dores intensificam a nossa fidelidade a Deus

 “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena” (João 19,25).

Hoje, celebramos Nossa Senhora das Dores. Nas dores de Maria contemplamos as dores da humanidade, mas contemplamos, especialmente, as dores de todas as mães, de todas as mulheres que encontram, na figura de Maria, luz e graça para o sofrimento de cada dia.

Maria nos mostra que uma pessoa sendo toda de Deus sofre por ser de Deus, mas é um sofrimento que tem sentido, é um sofrimento redentor e salvador. Vivemos em um mundo que quer anular o sofrimento, mas é o mundo que causa o próprio sofrimento. Porque, na verdade, é o mundo que ilude as pessoas de que elas não vão sofrer, mas é o próprio mundo que causa o sofrimento.

Sofremos com o mundo que rejeita a Deus; e, por abraçarmos a Deus, somos rejeitados por este mundo. Maria se colocou para ser toda de Deus, escolhida e chamada; o preço que Ela pagou pela sua fidelidade é o sofrimento.

Sofremos para sermos fiéis, mas não é um sofrimento vazio, não é um sofrimento estéril. De forma alguma! Aqui é o sofrimento no seu sentido mais pleno, é o sofrimento que tem significado, é o sofrimento que produz frutos de salvação e de redenção. Desde quando aceitou ser a Mãe do Salvador, Maria experimentou no seu ser diversas formas do sofrer: da incompreensão de José; do não ter um lugar para gerar seu Filho; da fuga para o Egito; da apresentação do seu Filho no templo, onde Simeão profetiza que uma espada há de transpassar a sua alma. Ela sofreu quando perdeu o seu filho no templo, adolescente, três dias sem saber onde Ele estava. Maria foi provada.

As dores de Maria são as dores de homens e mulheres que buscam com toda a intensidade viver a fidelidade a Deus

Há quem olhe para Ela apenas sem pecado, e isso não quer dizer que Ela não foi provada e não passou por provações; foram muitas as provações, mas Ela respondeu com a graça de Deus a todas.

Provação não é para nos induzir ao pecado, pelo contrário, é para repelirmos o pecado e permanecermos na graça. Por isso, Maria, sendo provada, sofreu por amor, sem deixar de ser fiel, permanecendo firme na graça.

Contemplemos, hoje, o sofrimento de uma Mãe que vê seu filho ser maltratado, rejeitado e pregado numa cruz. Contemplemos o sofrimento da Mãe que alimentou, amamentou e deu seu sangue para que seu Filho tivesse vida, Ela agora vê o sangue do seu Filho vertendo na cruz.

As dores de Maria são as dores da humanidade, de homens e mulheres que buscam com toda a intensidade viver a fidelidade a Deus, a dignidade humana em meio às lágrimas, às lutas, mas não desanimam nem desistem, porque olham para Deus e, n’Ele, encontram um sentido muito profundo, até e principalmente, para o próprio sofrimento.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Nossa Senhora das Dores

 “Quero ficar junto à cruz, velar contigo a Jesus e o teu pranto enxugar!”

Assim, a Igreja reza a Maria neste dia, pois celebramos sua compaixão, piedade; suas sete dores cujo ponto mais alto se deu no momento da crucificação de Jesus. Esta devoção deve-se muito à missão dos Servitas – religiosos da Companhia de Maria Dolorosa – e sua entrada na Liturgia aconteceu pelo Papa Bento XIII.

O culto a Nossa Senhora das Dores teve início em 1221 no Mosteiro de Schonau, Germânia. A festividade de Nossa Senhora das Dores, celebrada em 15 de setembro, iniciou-se em Florença, Itália, em 1239 através da Ordem dos Servos de Maria.

A devoção a Nossa Senhora das Dores possui fundamentos bíblicos, pois é na Palavra de Deus que encontramos as sete dores de Maria: o velho Simeão, que profetiza a lança que transpassaria (de dor) o seu Coração Imaculado; a fuga para o Egito; a perda do Menino Jesus; a Paixão do Senhor; crucificação, morte e sepultura de Jesus Cristo.

Nós, como Igreja, não recordamos as dores de Nossa Senhora somente pelo sofrimento em si, mas sim, porque também, pelas dores oferecidas, a Santíssima Virgem participou ativamente da Redenção de Cristo. Desta forma, Maria, imagem da Igreja, está nos apontando para uma Nova Vida, que não significa ausência de sofrimentos, mas sim, oblação de si para uma civilização do Amor.

Nossa Senhora das Dores, rogai por nós!

Oração:

Ó Deus, por Vosso admirável desígnio, dispusestes prolongar a Paixão do Vosso Filho, também nas infinitas cruzes da humanidade. Nós Vos pedimos: assim como quisestes que ao pé da cruz do Vosso Filho estivesse Sua Mãe, da mesma forma, à imitação da Virgem Maria, possamos estar sempre ao lado dos nossos irmãos que sofrem, levando amor e consolo. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.