Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (1Rs 21,17-29)

Leitura do Primeiro Livro dos Reis.

Após a morte de Nabot, 17a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita, nestes termos: 18“Levanta-te e desce ao encontro de Acab, rei de Israel, que reina em Samaria. Ele está na vinha de Nabot, aonde desceu para dela tomar posse. 19Isto lhe dirás: ‘Assim fala o Senhor: Tu mataste e ainda por cima roubas!’ E acrescentarás: ‘Assim fala o Senhor: No mesmo lugar em que os cães lamberam o sangue de Nabot, lamberão também o teu’”.

20Acab disse a Elias: “Afinal encontraste-me, ó meu inimigo?” Elias respondeu: “Sim, eu te encontrei. Porque te vendeste para fazer o que desagrada ao Senhor, 21farei cair sobre ti a desgraça: varrerei a tua descendência, exterminando todos os homens da casa de Acab, escravos ou livres em Israel. 22Farei com a tua família como fiz com as famílias de Jeroboão, filho de Nabat, e de Baasa, filho de Aías, porque provocaste a minha ira e fizeste Israel pecar.

23Também a respeito de Jezabel o Senhor pronunciou uma sentença: ‘Os cães devorarão Jezabel no campo de Jezrael. 24Os da família de Acab, que morrerem na cidade, serão devorados pelos cães, e os que morrerem no campo, serão comidos pelas aves do céu’”. 25Não houve ninguém que se tenha vendido como Acab, para fazer o que desagrada ao Senhor, porque a isto o incitava sua mulher Jezabel. 26Portou-se de modo abominável, seguindo os ídolos dos amorreus que o Senhor tinha expulsado diante dos filhos de Israel.

27Quando Acab ouviu estas palavras, rasgou as vestes, pôs um cilício sobre a pele e jejuou. Dormia envolto num pano de penitência e andava abatido. 28Então a palavra do Senhor foi dirigida a Elias, o tesbita, nestes termos: 29“Viste como Acab se humilhou diante de mim? Já que ele assim procedeu, não o castigarei durante a sua vida, mas nos dias de seu filho enviarei a desgraça sobre a sua família”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Salmo Responsorial (Sl 50)

— Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!

— Misericórdia, ó Senhor, porque pecamos!

— Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão de vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado, e apagai completamente a minha culpa!

— Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, e pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

— Desviai o vosso olhar dos meus pecados e apagai todas as minhas transgressões! Da morte como pena, libertai-me, e minha língua exaltará vossa justiça!

Evangelho (Mt 5,43-48)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— PROCLAMAÇÃO do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus. 

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 43“Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ 44Eu, porém, vos digo: ‘Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!’ 45Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre os justos e injustos. 46Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? 47E se saudais somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? 48Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

O seguidor de Jesus é caracterizado pelo amor

 “Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!” (Mateus 5,44).

A norma que conhecemos e até os antigos conheceram é que devemos amar o nosso próximo e podemos odiar o nosso inimigo. Aqui, inimigo não é somente aquele que não tem amizade conosco, mas aquele que, de alguma forma, representa uma inimizade, uma contrariedade; aquele que, de alguma forma, é oposto a nós porque nos machucou, nos feriu; porque não nos damos bem com ele; não concordamos com ele; porque ele não faz parte do nosso universo de amizade e, sobretudo, porque ele tem ideias e religião diferente da nossa. Enfim, vivemos num campo de relacionamentos onde nos fechamos com nossas amizades. 

É importante termos amizades e pessoas próximas. E as coisas não se misturam, os que são amigos são amigos, e devemos realmente amar os nossos amigos, amar os nossos irmãos e aqueles que são próximos a nós. Não podemos odiar ninguém, não podemos de forma alguma negar o nosso amor a ninguém.

É preciso entender que o amor que damos para quem é próximo, para quem é importante para nós, não é o mesmo amor que damos a quem não nos quer bem ou assim por diante, para todos temos de dar o amor. Mas qual amor? O amor de Deus. O amor caritas, amor que transforma, renova e não cria de forma alguma antagonismo dentro do nosso coração, da nossa alma, dos nossos afetos e sentimentos.

Não podemos odiar ninguém, não podemos, de forma alguma, negar o nosso amor a ninguém

Se alguém me fez mal, não posso retribuir na mesma proporção, na mesma moeda ou na mesma medida. A minha resposta é a resposta de um filho de Deus, é a resposta de um cristão. O cristão é um seguidor de Jesus, e o seguidor d’Ele é caracterizado pelo amor. Então, a minha resposta é a medida do meu amor. E qual é a medida do meu amor? Eu não preciso estar próximo, afegando aquela pessoa como se nada tivesse acontecido. Eu oro por ela, por isso, quando Jesus diz: “Rezai por aqueles que vos perseguem”, é porque o mal que alguém nos faz causa uma perseguição na alma e no coração, nos sentimos agoniados e perturbados com o mal que vem do outro.

Como combatemos esse mal? Pelo poder da oração. Não adianta ficar criando fleumas, intrigas, sobretudo não adianta ficar falando mal do outro. O mal que falamos ou pensamos do outro faz um mal terrível para nós e para o nosso coração.

Para que eu não viva abalado pelo mal que vem do outro, respondo no poder da oração; orando por ele, entregando ele a Deus e, sobretudo amando na minha medida, na minha proporção, no meu empenho; e uma resposta muito concreta que eu posso dar do amor é: se não posso me fazer presente como a maturidade exige, que, na minha ausência, eu, de forma alguma, difame, fale mal, persiga ou trate na mesma medida quem não me fez bem nessa vida. Amemos nossos irmãos, sobretudo aqueles que não nos fazem bem.

Deus abençoe você!  

Padre Roger Araújo - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios