Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Primeira Leitura (Js 24,1-13)

Leitura do Livro de Josué.

Naqueles dias,1Josué reuniu em Siquém todas as tribos de Israel e convocou os anciãos, os chefes, os juízes e os magistrados, que se apresentaram diante de Deus. 2Então Josué falou a todo o povo: “Assim diz o Senhor, Deus de Israel: Vossos pais, Taré, pai de Abraão e de Nacor habitaram outrora do outro lado do rio Eufrates e serviram a deuses estranhos.

3Mas eu tirei Abraão, vosso pai, dos confins da Mesopotâmia, e o conduzi através de toda a terra de Canaã, e multipliquei a sua descendência. 4Dei-lhe Isaac, e a este dei Jacó e Esaú. E a Esaú, um deles, dei em propriedade o monte Seir; Jacó, porém, e seus filhos desceram para o Egito.

5Em seguida, enviei Moisés e Aarão e castiguei o Egito com prodígios que realizei em seu meio, e depois disso vos tirei de lá. 6Fiz, portanto, que vossos pais saíssem do Egito, e assim chegastes ao mar. Os egípcios perseguiram vossos pais, com carros e cavaleiros, até o mar Vermelho. 7Vossos pais clamaram então ao Senhor, e ele colocou trevas entre vós e os egípcios. Depois trouxe sobre estes o mar, que os recobriu. Vossos olhos viram todas as coisas que eu fiz no Egito e habitastes no deserto muito tempo.

8Eu vos introduzi na terra dos amorreus que habitavam do outro lado do rio Jordão. E, quando guerrearam contra vós, eu os entreguei em vossas mãos, e assim ocupastes a sua terra e os exterminastes. 9Levantou-se então Balac, filho de Sefor, rei de Moab, e combateu contra Israel, e mandou chamar Balaão, filho de Beor, para que vos amaldiçoasse. 10Eu, porém, não o quis ouvir. Ao contrário, abençoei-vos por sua boca, e vos livrei de suas mãos. 11A seguir, atravessastes o Jordão e chegastes a Jericó. Mas combateram contra vós os habitantes desta cidade – os amorreus, os ferezeus, os cananeus, os hititas, os gergeseus, os heveus e os jebuseus. Eu, porém, entreguei-os em vossas mãos. 12Enviei à vossa frente vespões que os expulsaram da vossa presença – os dois reis dos amorreus – e isso não com a tua espada nem com o teu arco. 13Eu vos dei uma terra que não lavrastes, cidades que não edificastes, e nelas habitais, vinhas e olivais que não plantastes, e comeis de seus frutos”.

- Palavra do Senhor.

- Graças a Deus.

Responsório (Sl 135)

— Eterna é a sua misericórdia!

— Eterna é a sua misericórdia!

— Demos graças ao Senhor, porque ele é bom: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor, Deus dos deuses: porque eterno é seu amor! Demos graças ao Senhor dos senhores: porque eterno é seu amor!

— Ele guiou pelo deserto o seu povo: porque eterno é seu amor! E feriu por causa dele grandes reis: porque eterno é seu amor! Reis poderosos fez morrer por causa dele: porque eterno é seu amor!

— Repartiu a terra deles como herança: porque eterno é seu amor! Como herança a Israel, seu servidor: porque eterno é seu amor! De nossos inimigos libertou-nos: porque eterno é seu amor!

Evangelho (Mt 19,3-12)

— O Senhor esteja convosco.

— Ele está no meio de nós.

— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Mateus.

— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’? 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”.

7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher – a não ser em caso de união ilegítima – e se casar com outra, comete adultério”. 10Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”.

11Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.

— Palavra da Salvação.

— Glória a vós, Senhor.

Ouça a Homilia

Sem amor ninguém subsististe

 “Os fariseus perguntaram: ‘Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?’ Jesus respondeu: ‘Moisés permitiu despedir a mulher por causa da dureza do vosso coração’” (Mateus 19,7-8).

O tema principal daquilo que escutamos, hoje, na Liturgia da Palavra, de fato, é o divórcio, porque este faz parte da história da humanidade em todos os tempos.

No princípio, Deus criou o homem e a mulher para serem uma só carne, e o princípio bíblico é justamente esse: aquilo que Deus uniu o homem não separe. E quando digo “homem” é a humanidade, porque a humanidade não pode trabalhar para separar o que a bênção de Deus constituiu.

Tem sido um trabalho duro para tirar do coração a instabilidade dos casamentos. A realidade matrimonial tem se tornado descartável e querem tornar a família descartável. O amor é só enquanto dura e temos amores de dias, de tempos e não amor de assumir, amor definitivo, amor de compromisso.

Por que isso acontece? A resposta é o próprio Jesus que dá: é por causa da dureza do nosso coração. Em um coração duro o amor não penetra, o amor não cresce, não fecunda, não dá frutos. Há amor, mas ele para na dureza do coração; até o amor que há morre. Por isso, a vida matrimonial precisa ser trabalhada no coração do homem e da mulher. Onde? Na dureza que há no coração.

O coração vai se endurecendo pelo ressentimento, pelas mágoas, desentendimentos, pelas coisas que não se encaminham bem. À medida que vamos guardando ressentimentos e mágoas, todas essas coisas vão endurecendo o nosso coração.

Um coração duro, o amor não penetra, o amor não cresce, não fecunda, não dá frutos

Um relacionamento que um dia prometeu amor eterno se torna insuportável, por isso é necessário mais do que nunca trabalhar o coração. Porque se permitimos que o nosso coração se endureça, realmente não vamos suportar a realidade da vida a dois, da vida do matrimônio. É uma vida exigente, santa e séria, por isso é preciso abrir o coração para que a graça de Deus esteja nele.

Abra o coração pela oração. O que fecunda a vida de um casal é o amor, mas é o amor que é voltado primeiro a Deus. Um casal não tem que amar primeiro um ao outro. Tem que se amar muito, porque sem amor ninguém subsististe. Mas ame a Deus acima de todas as coisas, abra o coração para que Ele entre, para que oriente, conduza e esteja presente.

Uma das coisas mais duras que há na vida matrimonial hoje é que os casais não rezam, cada um reza no seu cantinho, às vezes, até vão à missa separados. Se os casais começassem a rezar juntos e fizessem disso uma prática de vida, podemos ter certeza que é um canal para Deus não permitir que o coração endureça.

Deus abençoe você!

Padre Roger Araújo  - Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios